13 Reasons Why voltou! Série da Netflix troca polémica por mensagem de «esperança»

A última temporada de 13 Reasons Why estreia-se hoje, 5 de junho. A Netflix volta a estar debaixo de olho por causa da história que gerou polémica.

05 Jun 2020 | 17:20
-A +A

13 Reasons Why está no top 10 das séries mais polémicas da Netflix. A história da jovem Hannah Baker, que se suicida e deixa cassetes a várias pessoas nas quais explica de que forma estas contribuiram para a sua decisão, fez correr muita tinta em 2017, aquando da estreia da primeira temporada. Esta sexta-feira, a quarta e última leva de capítulos chega à plataforma de streaming com uma mensagem de esperança.

«Ninguém escapa ao próprio passado, mas será que podemos curar, podemos lidar com o que fizemos e com o que foi feito connosco e podemos encontrar uma maneira de seguir em frente e ter um futuro?». começou por questionar o showrunner da trama, Brian Yorkey.

O responsável deu a resposta, explicando que, ao contrário das anteriores, esta última temporada não é composta por 13 capítulos, mas apenas 10, os «necessários» para a conclusão de todos os mistérios. É com esses que 13 Reasons Why fará sobressair uma mensagem de esperança, deixando para trás os momentos mais sombrios que tanta polémica geraram.

Veja o trailer:

«Queríamos terminar a série com esperança. Tudo começou com Hannah Baker a não ser capaz de a ter e, por isso, queríamos acabar vendo as restantes personagens capazes de a sentir, capazes de enfrentar a escuridão e de sair dela. Espero que tenhamos conseguido», acrescentou.

Uma das novidades desta época é a presença do conhecido ator norte-americano Gary Sinise no elenco, para interpretar o terapeuta de Clay Jensen (Dylan Minnette), uma das personagens condutoras da história.

As polémicas em todo o mundo

Esta temporada de 13 Reasons Why ainda não se estreou, mas o Parents Television Council (PTC), associação que monitoriza os conteúdos da televisão norte-americana, já pediu à Netflix para remover a série do catálogo com conteúdo para adolescentes. «Não podem dizer que se destina a jovens e, simultaneamente, classificá-la como apropriada apenas para públicos maduros», avisa, entre outras justificações.

O medo da PTC é que a história volte a contribuir para o aumento de casos de suicídio entre adolescentes. Nos EUA, a cena em que Hannah tira a própria vida, no final da primeira temporada, coincidiu com um aumento de suicídios entre os jovens com idades entre os 10 e os 17 anos. Já as pesquisas no Google sobre métodos suicidas aumentaram 19% em comparação com o ano anterior, revelou o Journal of the American Medical Association.

A trama que fala ainda de bullying e violação teve impacto em vários países. No Brasil, os contactos com o Centro de Valorização da Vida, de prevenção contra o autocídio cresceram 400%. O seu presidente, Robert Paris, afirmou que os jovens citaram a personagem interpretada pela atriz australiana Katherine Langford.

Na Nova Zelândia, menores de idade foram proibidos de a ver, a não ser acompanhados por um adulto. «A Nova Zelândia tem uma das mais altas taxas de suicídio juvenil na OCDE e os defensores de saúde mental estão extremamente preocupados com as consequências que a série pode vir a causar aos adolescentes», referiu o órgão que regula a classificação etária.

Selena Gomez, a produtora executiva, chegou a explicar ao canal E! News que «queria apenas» que aqueles assuntos «fossem absorvidos pelos espectadores mais jovens de forma a que estes ficassem assustados ou confusos». «De forma a falarem sobre isso, porque é algo que está sempre a acontecer», justificou.

Conseguiu, pelo menos, que se abrisse um site que reúne informações de associações de 62 países que ajudam no combate ao suicídio. Portugal está representado pela SOS Voz Amiga (Tel.: 800 209 899, sosvozamiga.org).

Texto: Ana Filipe Silveira; Fotos: DR

 

Veja mais:
Adeus, 50 Sombras de Grey! Novo filme da Netflix é uma explosão de sexo e sensualidade
Documentário da Netflix relata histórias das alegadas vítimas sexuais de Jeffrey Epstein

 

ATENÇÃO!

Na impossibilidade de comprar a sua revista favorita nos locais habituais, pode recebê-la no conforto de sua casa, em formato digital, no seu telemóvel, tablet ou computador.

Eis os passos a seguir:

1 – Aceda a www.lojadasrevistas.pt

2 – Escolha a sua revista

3 – Clique em COMPRAR ou ASSINAR

4 – Clique no ícone do carrinho de compras e depois em FINALIZAR COMPRA

5 – Introduza os seus dados e escolha o método de pagamento

6 – Pode pagar através de transferência bancária ou através de MB Way!

E está finalizado o processo! Continue connosco. Nós continuamos consigo.

 

PUB
Top