TV esteve ONE FIRE! Os 7 ACONTECIMENTOS TELEVISIVOS que marcaram 2018

Da transferência de Cristina Ferreira à Eurovisão, a televisão portuguesa esteve ao rubro no ano que agora termina. Recorde os acontecimentos que marcaram a caixinha mágica em 2018.

27 Dez 2018 | 20:30
-A +A

A transferência de Cristina Ferreira para a SIC foi o acontecimento que marcou o mercado televisivo generalista em 2018 e que gerou outras movimentações. Mas houve muito mais para ver.

 

1 – Transferência de Cristina Ferreira para a SIC

 

Em agosto, o mercado televisivo parava para aquele que pode ser considerado o acontecimento televisivo da década. Aos 40 anos e depois de 16 na TVI, Cristina Ferreira mudou-se para a estação de Carnaxide. A saída de Cristina da TVI gerou uma verdadeira revolução nos dois canais. Manuel Luís Goucha ganhou uma nova parceira, Maria Cerqueira Gomes, e maior protagonismo na TVI.

Aos 64 anos, o apresentador renovou contrato até 2022 e um novo programa, No Monte do Manel. A partir de 2 de janeiro, terá também o marido, Rui Oliveira, a seu lado no Você na TV. Cristina estará a concorrer diretamente com o ex-colega, n’O Programa da Cristina. A guerra começa a 7 de janeiro.

2 – Eurovisão 2018

 

Ao fim de 54 anos e 50 participações, Portugal organizou pela primeira vez o Festival Eurovisão da Canção. O Parque das Nações, em Lisboa, foi palco daquele que é o maior certame musical televisionado do mundo. Depois da vitória de Salvador Sobral, em 2017, em Kiev, Portugal foi representado por Cláudia Pascoal e Isaura, com a música O Jardim.

Se Amar pelos Dois foi primeiro, a música lusa de 2018 foi parar ao fundo da tabela. A Eurovisão 2018 foi considerada pela União Europeia de Radiodifusão como a melhor de sempre, deixando a Israel a árdua tarefa de superar essa meta. Telavive é a cidade anfitriã da Eurovisão 2019 e já são conhecidos os 16 compositores portugueses do Festival da Canção 2019.

 

3 – Revolução na SIC

 

Em junho, Daniel Oliveira assumia o cargo de diretor-geral de entretenimento da estação de Carnaxide, função que acumula com o de diretor de programas da SIC generalista e respetivos canais temáticos. As mudanças foram, na altura, justificadas pelo grupo IMPRESA com a «necessidade de a SIC se tornar mais competitiva».

E sem dúvida que tal aconteceu em poucos meses. O ás do baralho de Daniel Oliveira, Casados à Primeira Vista, trouxe à SIC a vitória no acesso ao prime time, durante a semana e, depois do fim de Pesadelo na Cozinha, a liderança aos domingos. 2019 vai começar com três apostas da era Daniel Oliveira: Cristina Ferreira, Lip Sync Battle e O Carro do Amor.

 

4 – Emmy internacional

 

Em novembro, Portugal conquistava o terceiro Emmy Internacional com a novela da TVI, Ouro Verde. A trama, protagonizada por Joana de Verona e Diogo Morgado, trazia para a estação de Queluz de Baixo o terceiro galardão além fronteiras. Meu Amor, da TVI, venceu em 2010 e, no ano seguinte, a SIC ganhava com a novela Laços de Sangue.

 

5 – Mais dois canais na TDT

 

Em novembro, o ministério da Cultura anunciava a abertura do concurso público para mais dois canais na televisão digital terrestre. A consulta pública termina esta sexta-feira, 28 de dezembro e, até 31 de dezembro, deverá ser lançada a portaria com os parâmetros de candidatura.

Os dois novos canais serão temáticos: um de notícias e outro de desporto. De recordar que existem atualmente sete canais na televisão digital terrestre: RTP1, RTP2, SIC, TVI, ARTV, RTP3 e RTP Memória.

 

6 – Federação Portuguesa de Futebol anuncia canal

 

Carlos Daniel e Nuno Santos são, até ao final do ano, os primeiros grandes nomes conhecidos do «11», o canal que a Federação Portuguesa de Futebol vai lançar no primeiro trimestre de 2019. Nuno Santos será o diretor do canal e Carlos Daniel abandonou a RTP ao fim de três décadas para ser o rosto principal do projeto. 

 

7 – A primeira mulher na direção de informação da RTP

 

Depois de várias polémicas, Paulo Dentinho abandonou a direção de informação da RTP em outubro. A estação pública de televisão anunciou Maria Flor Pedroso como sucessora, tornando-se a jornalista a primeira mulher nesta função.

Mas a nova direção de informação da RTP esteve envolta em polémica, tendo a Entidade Reguladora para a Comunicação Social recusado incialmente a exoneração de dois diretores adjuntos. A contratação de Cândida Pinto, na SIC desde 1992, também esteve envolta em polémica e gerou contestação por parte dos trabalhadores da RTP.

 

Texto: Raquel Costa | Fotos: Arquivo Impala

 

PUB
Top