A Crónica da Agricultora: «O Paliotes queria era forrobodó com a Dalila!»

Inês Martins analisa mais uma semana de emoções fortes nas quintas de Catarina, Ricardo, António, Francisco e João, os agricultores da terceira temporada do rurality show da SIC.

15 Jun 2020 | 18:50
-A +A

Esta semana, a cronista da TV 7 Dias Inês Martins analisa mais uma semana de emoções nas quintas dos agricultores.

Em Monforte, as meninas aprendem a espetar estacas. Assim, com esse jeitinho a enfiar o pau do paliotes depressa conquistam o coração do Alentejano. João lança o desafio de apanharem um porco, para ganharem um encontro com ele. Mafalda, com a sua personalidade tranquila, decidiu não correr atrás dos porquinhos para não os stressar.

Compreendo-a tão bem…

Eu também passava o tempo a gritar ‘não stressem as cabras!’. Coitadinhas, não gosto de ver os animais em aflição. Por mim só lhes fazia festinhas. E também tive o desafio de apanhar um porco mas num mini espaço, a tarefa foi mais facilitada.

Já com as meninas do Paliotes o desafio estava dificultado. Além de ser num grande casão, ainda por cima o porquinho estava todo oleado. Ao fim de várias tentativas,  o agricultor tentou fazer batota, ajudando a Dalila, dizendo-lhe baixinho para os agarrar pelas orelhas. Mafalda ouviu e disse o mesmo em voz alta para Cláudia ouvir o truque também, e zás! Surtiu tanto efeito que conseguiu ganhar o desafio.

O alentejano não ficou nada contente e, mais uma vez, mostrou ser novinho e não saber esconder a frustração de não ter sido Dalila a ganhar, (a sua mais que escolhida para futura namorada). Depois de andar a dar murros aos portões, deu a desculpa que estava stressado porque não viu força de vontade da Mafalda em participar e que Dalila também não se esforçou.

Conta-me histórias que eu finjo que acredito, vá! Ele queria era forrabadó com a Dalila!  Porque, com a Cláudia,  já previa que ia ser uma conversinha. E foi isso mesmo que aconteceu. Não vejo ali química nem interesse da parte de nenhum dos dois.

 

«A Catarina não é o tipo de mulher para o Daniel»

Na quinta da Catarina anda tudo em modo repetitivo. Já começa a faltar acção e enredo na quinta. É sempre… mais do mesmo! Para mim, o Bruno é a dama de honor da noiva Catarina e do noivo Daniel, portanto não o vejo lá por muito tempo nem entendo o porquê de ainda lá estar, visto não ver ali mínima conquista pelo coração da agricultora do Fundão.

O Daniel com as suas piadas sempre na ponta da língua, cada vez mais demonstra ser muita garganta e pouca acção. Nos dias de trabalho da quinta andaram mais uma vez na brincadeira… que é só o que sabem fazer. E no fim do dia de trabalho, Catarina lembra-se de preparar um bailarico em casa. Enquanto Bruno e Ricardo preparam o jantar. Catarina chama o Daniel para um encontro.

Já gostei tanto desta quinta, agora estou a acha-la tão repetitiva, monótona e previsível. Nesse encontro feito à pressão só me soou a falso. Repito o que já disse na semana passada, é uma quinta muito teatral.

Catarina lança ali um interrogatório ao Daniel que até da ex namorada dele falou. Perguntou e insistiu mais que uma vez se ela era o tipo de mulher com quem ele se via… E ele enrola muito, ou seja, inventa a resposta.
Não quer mentir mas também não quer dizer a verdade. Adoro ver pessoas transparentes, genuínas a dizer o que sentem sem medos das consequências. E quando assim é, as pessoas vomitam logo o que estão a pensar, os pensamentos transformam-se em palavras sinceras. Quando é verdade a resposta está na ponta da língua.
Neste caso não foi nada disso que eu vi.

O moço parece querer ser ator mas se fosse um bom ator eu ficava na dúvida dos verdadeiros sentimentos dele para com a Catarina. Posso afirmar com a muita certeza que ele a quer conquistar como um troféu e um objetivo a cumprir. A Catarina não é o tipo de mulher para ele. Não o atrai. E ele não está minimamente interessado numa relação que vá além da amizade.

A verdade é que a Catarina fez as perguntas certas para me darem estas certezas sobre ele. Em relação à Catarina, tem vestida uma armadura contra sofrer e por isso as dúvidas, o medo e o pé atrás com as respostas do Daniel. Mas que está caidinha por ele, está sim! E quando o Daniel for embora vai certamente sentir saudades dos abracinho dele.

«o Ricardo está completamente desmarmelado!»

Mafalda, a encantadora de animais da Quinta de Ricardo, está cada vez mais a apegar-se aos bichinhos da quinta e o porta chaves… apegado às suas duas meninas. Diz ele e acredito sim, que vai sentir falta das duas porque são duas peças fundamentais na quinta. Gosto muito do ambiente desta quinta.

E mesmo que ache que a Sandra já está mais à vontade e mais participativa, agora vejo o olhar e foco do agricultor direcionado à nossa Mafalda. Fica mesmo derretido a olhar para ela por longos períodos de tempo. Completamente desmarmelado. Está a ficar caidínho!

Ricardo leva as meninas a montar mais uma vez e… Elaaaá! A mafalda já nem parece a mesma, tão sossegadinha e atenta aos dois porta chaves. O chefinho é muito exigente mas é assim mesmo que se faz nascer grandes cavaleiros. Mafalda apanha uma viola e canta e encanta e desafina tanto. Mais um momento daqueles tão dela que me faz rir do início ao fim. Diz o Ricardo e concordo com ele. «É bom demais.»

O agricultor de manhã acorda e diz que vai tratar dele. Quando sai, Mafalda tem logo uma ideia. Ai lá vem mais uma ideia da Mafalda. E porra… É de manhã. O cérebro daquela mulher funciona a mil à hora até no despertar. Incrível.

Sendo ela da área da estética, pensou em mimar o seu chefinho com uma espécie de spa com esfoliante de açúcar e laranja. Mas no meu do relax também existe ali um potinho de cera e a respectiva espátula.
Ai, porta chaves… nem sabes o que te espera…

«Os avanços do António deixam a Susana desconfortável»

Esta semana o António andou em modo safado. Feito danadinho para cima da Susana, até a chamou à parte para entender se os picanços entre os dois era uma possível relação a nascer entre os dois. Não, António, não é. Susana está de coração aberto para o amor e brinca muito contigo sim, mas também a vejo recuar quando usas um pouco do poder e metes as mãos onde não deves.

Calma homem, o coração de uma mulher não se conquista a enfiar as mãos em sítios proibidos. Respeitinho pelas mulheres, vá lá. Neuza, que até hoje foi sempre tão calma já se anda a chatear. Sim, aqui já me parece haver um ciuminho de quem começa a gostar do agricultor e não anda a gostar dos avanços do agricultor com a Susana.

É que não a larga e todas as conversas vão sempre a parar ao seu desejo de querer ter momentos a dois com a Susana. Houve um dia que tiveram uma conversa séria e deu para ver que não falam a mesma língua.
Os avanços do António deixam-na desconfortável.

Se fosse eu.. Agiria igual… Ainda há uns dias ele demonstrava ter o coração fechado, agora sentiu-se picado pelas candidatas e de repente transforma-se num predador. Que assustador! Neuza, a ver que está a perder terreno, prepara um pequeno almoço ao agricultor. Ouvi-a dizer que era a primeira vez que o fazia a alguém. Parece- me então que esta mulher não tem tido muita sorte no amor!

A Ana Paula e Susana chegaram e o António adorou a ciumeira… O galã de Nogueira da montanha gosta é disso. Sentir-se disputado. Ai esse ego precisa ser estimulado, é? Depois, lá continuou o pequeno almoço a sós com a Neuza e estiveram a conhecer-se. O agricultor queria era saber tudo o que ela achava dele.

Ela tanto o elogiou e, quando chegou a parte de ser ele a dizer o que achava da Neuza… «Eu de ti acho que és…despassarada.» A sério? Ai… cada vez mais decepcionada com este senhor.

E, com o passar das semanas, começo a vê-lo realmente mais inclinado para a extrovertida Susana. A Andreia chega à quinta e é dia de uma das candidatas se despedir. Foi uma escolha previsível, visto o agricultor se queixar imensas vezes da Ana Paula. Uma senhora linda, tranquila, de bem com a vida mas como não é uma fada do lar nem do campo, não agrada ao agricultor.

«Francisco desiludiu-se com a falta de esforço»

Maria João esta semana só refilava durante o dia de trabalho. A sorte é que Francisco tem uma paciência de anjo.
Yasmyni vejo-a tão animada e parece encaixar cada vez mais na personalidade do agricultor, quer dizer, isto achei eu no início da semana, mas tudo pode mudar de um dia para outro.

Eu sei que existem casais com personalidades opostas que se atraem e são felizes mas o Francisco amoroso e Maria João anti-miminhos não estou a ver muito poder de encaixe. Mas, se encontrarem o equilíbrio desses opostos, podem-me surpreender e ser felizes assim mesmo com os….’chega para lá’ e refilanços da Maria João.

O agricultor lança um desafio às suas candidatas para apanhar uma ovelha. Ora no meio do mato não ia ser nada fácil, né Francisco?

Elas a ver a cansera que as esperava nem se mexeram… Claro que o agricultor se desiludiu com a falta de esforço e com razão… Eu até acho que lhes tinha feito bem uma corridinha para desmoer os pitéus alentejanos que já começam a dar uns centímetros a mais às meninas do agricultor de Moura. Ele dá lhes mais uma oportunidade mas agora dentro da cerca.

E passa de desiludido para… fulo.

Porque Yasmyni não quis nem participar. Também podia ter-se esforçado um pouquinho, assim está literalmente a entregar Maria João de bandeja ao agricultor. Ele quer duas mulheres atrás dele mas não está com sorte. Escolheu duas mulheres de fibra, com pêlo na venta, que só fazem o que querem. Receber ordens e obedecer são mulheres de outra época.

Achei uma falta de respeito e insensibilidade da parte da Yasmyni, dizendo coisas que podem magoar os sentimentos de um homem sensível. Morando ela na casa do agricultor, ao mostrar esse total desinteresse em conhecer a terra do agricultor devia saber respeitar. O nosso alentejano tem orgulho da terra onde vive e gostava de lhes oferecer algo que é importante para ele. É de valorizar.

 

Texto de opinião de: Inês Martins, empresária e ex-candidata de Quem Quer Namorar com o Agricultor

 

Veja mais:

 

PUB
Top