Aldo Lima revela ÚLTIMAS CONVERSAS com António Feio: «A morte dele CUSTOU-ME MUITO»

Em conversa com Daniel Oliveira, no programa Alta Definição, o humorista recordou o amigo e colega de profissão António Feio, que morreu, vítima de doença prolongada, em julho de 2010.

02 Mar 2019 | 16:30
-A +A

Numa entrevista intimista concedida a Daniel Oliveira, na emissão deste sábado, dia 2 de março, do programa da SIC Alta Definição, Aldo Lima partilhou a forma como lidou com a morte de António Feio, de quem era «muito próximo».

«Não era muito próximo em trabalho, aos olhos do público, mas era pessoalmente. Estávamos muitas vezes juntos, passávamos férias juntos e saíamos juntos. E custou-me… muito. [A morte dele] Custou-me muito», assume o humorista, de 44 anos, que continua a felicitar publicamente o amigo e colega de profissão no dia do seu aniversário, assinalado a 6 de dezembro. «Continuo, claro», confirma a Daniel Oliveira.

 

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Parabéns meu irmão ???❤️❤️❤️ sempre Aqui!

Uma publicação partilhada por Aldo Lima (@aldolimacomedy) a

 

Também no Alta Definição, Aldo Lima relatou as duas últimas vezes em que esteve pessoalmente com António Feio. O ator, recorde-se, morreu a 29 de Julho de 2010, aos 55 anos, vítima de um cancro no pâncreas.

 

«Ó Aldo, Suíça não é com três ‘s’?»

 

A última «foi em casa dele», «já nos seus últimos dias» de vida, recorda Aldo Lima. «Estava a dar, na televisão, uma entrega de prémios internacionais e havia qualquer coisa da literatura portuguesa. E, no oráculo, estava o nome de um senhor e estava escrito Suíça com dois ‘s’. Ele [António] estava deitado no sofá, olha para a televisão e diz: ‘Ó Aldo, Suíça não é com três ‘s’?’», parafraseia. «Maravilhoso», classifica, em risos, o humorista.

 

Veja também: Hernâni Carvalho COMOVE-SE ao falar da luta contra o cancro: «NÃO TINHA HORIZONTE!»

 

Antes, houvera outro episódio. «Ele perguntou-me ideias para o nome do último livro dele. Todos os amigos escreveram alguma coisa e eu recusei-me a escrever e a enviar-lhe, porque achava mesmo que…», lamenta, para a seguir completar: «E ele diz-me assim: ‘O que é que achas de ‘Depois de apagar o maçarico’?’. Este foi o António Feio nos últimos dias. […] Foi sempre assim a vida toda.»

 

Texto: Dúlio Silva | Fotografias: arquivo Impala e reprodução redes sociais

PUB
Top