“All Together Now”: ‘Afilhado’ de Cristina Ferreira tem vida sofrida e não conhece o pai

Miguel Moura diz não estar com o pai desde os seus 18 meses e recusou restabelecer a ligação com ele. Cristina Ferreira já prometeu à estrela de “All Together Now” dar-lhe palco nos seus programas.

30 Mai 2021 | 21:00
-A +A

Com apenas 19 anos e seis meses de experiência profissional na música, Miguel Moura subiu ao palco do talent show “All Together Now”, da TVI, e não deixou ninguém indiferente. A ponto de a presidente do júri, Gisela João, o ter logo convidado para um dueto e confessado “amá-lo”. Apesar da unanimidade, o jovem não alcançou os votos suficientes para passar às semifinais. Mas aquele fim não significou, afinal, o definitivo fim do trajeto do alentejano no concurso apresentado por Cristina Ferreira.

É isso, pelo menos, que faz crer uma das promoções para a emissão deste domingo, 30 de maio, de “All Together Now”. Tal como prometido pela apresentadora, a tão ambicionada repescagem (ou “repiscagem”, como brinca Gisela João) terá finalmente lugar na Sala Tejo, da Altice Arena, e Miguel Moura é, acreditando no que está a ser divulgado pela TVI, um dos selecionados (à hora da publicação deste artigo, o programa ainda não tinha começado e, por isso, não se sabia se o fadista tinha alcançado, desta vez, um lugar na próxima etapa do talent show).

 

 

Gisela João indignada com saída de Miguel Moura: “Isto é muito injusto!”

 

Com o apelido da cidade raiana onde nasceu e cresceu, Miguel Moura deu nas vistas na segunda emissão do formato da TVI. Convenceu 99 dos cem jurados com a sua interpretação de “Para Os Braços Da Minha Mãe”, de Pedro Abrunhosa, igualando a pontuação obtida anteriormente por Catarina Castanhas. Foi com esta jovem que protagonizou o duelo final, em busca de um lugar nas semifinais do concurso de caça-talentos musicais. Cantou “Meu Alentejo”, levantando, desta feita, 73 jurados. A rival superou-o, com 92.

“Isto não pode ser verdade. Isto não é verdade. Oh pá, mas estamos todos aqui à caça dos gambozinos?”, atirou, indignada, Gisela João. “Isto é muito injusto!”, desabafou ainda a presidente do júri com colegas do painel, já depois de se ter confessado “histérica” com o talento do alentejano.

 

Cristina Ferreira: “Terei sempre espaço na minha vida para te fazer brilhar”

 

O programa em questão foi transmitido a 14 de março. Sem perder tempo, Miguel Moura foi chamado ao matutino “Dois às 10” no dia seguinte. Conversou com Maria Botelho Moniz e Cláudio Ramos e teve a felicidade de receber, em direto, um telefonema de Cristina Ferreira.

“Já tive oportunidade de falar contigo. Já te abracei de alguma forma, já te aconcheguei, porque eu sei que o teu futuro é brilhante”, pressagiou. “Tu ontem não passaste mas tocaste toda a gente. Nós, os que estávamos lá, e todos aqueles que te viram. Essa tua timidez e esse olhar para o chão vão deixar de estar um dia destes, porque vais olhar para o mundo como mereces. Sabes disso, sabes que vai acontecer”, disse-lhe a Diretora de Entretenimento e Ficção da TVI.

Foi então que Cristina Ferreira revelou a novidade que, este domingo, se concretiza: a existência de uma repescagem no talent show. “Como é óbvio, há sempre alguém que achamos que devia ter passado. Como nós damos muito valor àquilo que a nossa presidente sente e quer, deixem-me dizer-vos que há pessoas, artistas, candidatos, que terão uma segunda oportunidade no ‘All Together Now’. Ou seja, há pessoas cujo sonho não termina aqui. Isto quer dizer que, quem chega ao coração dos outros, volta sempre”, deixou no ar.

Dirigindo-se concretamente a Miguel Moura, rematou o telefonema com uma garantia. “Terei sempre espaço na minha vida para te receber, para te fazer brilhar. Gosto de ti desde o primeiro dia em que te vi. Tens um futuro brilhante pela frente. Cá estarei muitos anos para te aplaudir.”

 

Cristina Ferreira escolheu Miguel Moura para a estreia de programa

 

Cristina Ferreira conhecera-o em novembro do ano passado, quando o fadista foi apresentar, ao programa “Dia de Cristina”, o seu primeiro single, “Tenho de Abalar” – seis meses depois, o videoclipe da canção que dedica ao seu Alentejo já conta com mais de 200 mil visualizações no YouTube. E não mais o largou, encantada com o seu talento.

 

 

No formato já extinto, que marcou o regresso da apresentadora à TVI, a também diretora contou como chegou ao encontro do jovem talento. “Apanhei-te numa mensagem de Instagram que me mandaram a dizer: ‘Ó Cristina, já ouviu este miúdo?’. Quando ouvi, imediatamente disse: ‘Eu quero conhecer o Miguel’. Ainda não sabia da tua história, não sabia dessa tua vontade de vencer… Espero que tenhas muita sorte na vida, Miguel. Que, enquanto eu andar em televisão, tenhas sempre espaço para te mostrar naquilo que é o teu sonho e naquilo que tu mais gostas de fazer: cantar.”

Assim tem sido desde então. No mês seguinte, a escassos dias do Natal, Miguel Moura reencontrou Cristina Ferreira, acompanhada de Manuel Luís Goucha, numa das emissões especiais do programa “Em Família” conduzida pela dupla que se tinha desfeito, em 2018, aquando da saída da malveirense para a SIC. “Acho-te um rapaz cheio de talento. Quero muito que as coisas te corram bem”, disse-lhe a hoje Diretora de Entretenimento e Ficção da TVI.

Quatro meses depois, Cristina Ferreira reforçou a aposta em Miguel Moura convidando-o para marcar presença na estreia do programa “Cristina ComVida”, transmitido pela TVI nos finais de tarde de segunda a sexta-feira. Estávamos a 29 de março e a apresentadora proporcionava um encontro entre um mourense “nervoso” e… Pedro Abrunhosa. Juntamente com o autor de “Para Os Braços Da Minha Mãe”, o jovem voltou a interpretar o tema com que se dera a conhecer em “All Together Now”. E voltou a emocionar quem o ouviu.

 

Estrela de “All Together Now” não quis restabelecer ligação com o pai

 

Miguel Moura também emocionou quando partilhou, grosso modo, a sua (falta de) ligação com o pai. Segundo o próprio, o alentejano não está com o progenitor desde os seus 18 meses e não terá, por isso, memórias dele. “Vivo com a minha mãe e a minha avó. Aos meus 18 meses, os meus pais separaram-se e, desde aí, nunca mais vi o meu pai. Sinto que o meu pai me abandonou. A minha mãe criou-me sozinha, por isso, considero que tenho uma mãe guerreira”, disse, na sua apresentação como concorrente do talent show da TVI.

Meio ano antes, Cristina Ferreira explicava, quando o recebeu no seu extinto programa da TVI, que a relação de Miguel Moura com o pai “teve um interregno de alguns anos até ele voltar para encontrar” o filho. “Mas tu não quiseste restabelecer a ligação. Porquê?”, questionou a apresentadora. O fadista recusou-se a detalhar pormenores. “Não… Não queria falar disso… Peço desculpa”, disse apenas.

Antes, contudo, falou abertamente sobre a forma como descobriu o fado – ou como o fado o descobriu. “O fado surgiu na minha vida aos 14 anos. Na altura, a minha avó ouvia rádio e ouvia muito fado. Um dia, surgiu um fado cantado pela Mariza: ‘Ó Gente da Minha Terra’. No início, experimentei debaixo do arco das escadas da minha avó. Houve um dia em que estava a cantar às escondidas e a minha avó ouviu. Foi logo dizer à minha mãe. Aquilo foi tudo uma admiração para elas, porque nunca ninguém da família deu para este lado fadista”, partilhou. Foi o início de tudo para Miguel Moura.

 

Deixou estudos para ajudar a mãe a ganhar dinheiro

 

Foi, porém, obrigado a adiar os sonhos para ajudar a família. O jovem deixou o curso de Hotelaria para trás para ir trabalhar para o campo e, assim, ajudar a mãe e os irmãos (Miguel Moura é o mais novo de três – o segundo tem 15 anos e o mais novo três) a contrariarem as dificuldades financeiras. “A minha mãe não conseguia pagar as despesas e comecei a trabalhar. Fiz a apanha da azeitona no último inverno. Mesmo com mau tempo, tínhamos de ganhar algum dinheiro, íamos com fatos de borracha…”, contou, recentemente, em entrevista.

Já sobre a ausência do progenitor, desvalorizou-a, relevando a importância das duas mulheres da sua vida: “Nunca senti falta do meu pai e fui sempre feliz com a minha mãe e a minha avó”.

 

Estreia em televisão foi com Tânia Ribas de Oliveira

 

Apesar da forte e evidente ligação com Cristina Ferreira, não foi com ela que Miguel Moura se estreou em televisão. Isso aconteceu um mês antes do primeiro encontro com a apresentadora e diretora da TVI. E no programa “A Nossa Tarde”, conduzido por Tânia Ribas de Oliveira, na RTP1.

“Com os nervos à flor da pele”, como ele referiu na altura, o mourense disse-se “a viver um sonho”. “Ao meu lado tive a apresentadora Tânia Ribas de Oliveira, a quem devo, desde já, um muito obrigado por me ter recebido tão bem naquele que é o seu programa”, escreveu, particularizando outros agradecimentos.

Miguel Moura dirigiu as últimas palavras “à família e amigos que sempre” o “apoiaram e acreditaram tanto” no seu sonho quanto ele. “Hoje, disseram que sou a nova voz do fado. Hoje, dei mais um passo no meu sonho. Na minha carreira. E virão muitos mais! Conto convosco para me continuarem a acompanhar. A vocês, o mais especial dos meus obrigados”, concluiu, em outubro do ano passado, nas redes sociais.

 

Miguel Moura com futuro promissor à sua frente

 

Os passos vão, de facto, sendo dados. A preparar o seu primeiro trabalho discográfico, Miguel Moura está já garantido no cartaz da nona edição do festival de fado Santa Casa Alfama, que se realiza, em Lisboa, nos dias 24 e 25 de setembro. Há um ano, o fadista estreava-se naquele evento no Palco Futuro. Agora, pisará o palco principal. Quem com ele trabalha não tem dúvidas: o futuro de Miguel Moura é promissor.

 

Texto: Dúlio Silva; Fotos: Divulgação TVI e reprodução redes sociais

PUB
Top