«Já chega!» Angélica está farta de ser vítima de xenofobia e responde às ofensas

Angélica, ex-concorrente do Big Brother 2020, expôs algumas mensagens de teor xenófobo que tem recebido desde a saída do reality show da TVI. Cansada, a venezuelana critica o racismo de que é alvo.

15 Jul 2020 | 22:22
-A +A

Angélica Del Mar, que se deu a conhecer ao público ao concorrer ao Big Brother 2020, alega que está a ser vítima de racismo e xenofobia. Expulsa da casa mais vigiada do País a 21 de junho, a venezuelana recorreu às redes sociais para expor o assunto e lamentar os vários comentários discriminatórios que tem recebido desde que abandonou o reality show da TVI.

«JÁ CHEGA! Partilho com vocês algumas mensagens de racismo e xenofobia nas redes sociais», começou por escrever, esta terça-feira, dia 14, exibindo algumas dessas mensagens negativas. «Rua. Vai para a Venezuela. Lá é o teu lugar» «Ela tem traços índios. Há índios na Venezuela. Um rosto típico de lá. Só que estudou. Mas a essência está lá» são dois dos exemplos.

Perante estas mensagens, Angélica referiu: «Estes são apenas alguns dos ‘menos ofensivos’. Sinceramente, lamento ler comentários preconceituosos e discriminatórios, alimentados pela ignorância. Lamento por saber que um grupinho faz piadas sobre a situação infeliz na Venezuela…»

«Não sou ‘galega’, sou venezuelana. Eu tenho sangue preto e branco e indígena. Sim, sou mestiça, sou latina, sou ‘criolla’. Na minha cara, levo orgulhosamente alguns traços indígenas, herdados de meus ancestrais. Além disso, sou GALLETTINO, herdado de meu avô italiano», contou, revelando, assim, que também tem raízes italianas.

«Sou uma mulher de desafios e o meu lugar é onde EU quero estar, jamais onde algumas pessoas pensam que ‘eu devo estar’. Sou imigrante e agora vivo em Portugal, assim como a Venezuela recebeu os portugueses de braços abertos há alguns anos. Amo de onde venho, amo o que sou. Tenho orgulho da minha família, do meu povo e do meu país, apesar da difícil situação que estamos a enfrentar. Lembrem-se que racismo e xenofobia são apenas uma falta de educação. É mesmo uma grande ignorância», escreveu ainda.

«Eu tenho a certeza de que os bons são mais… Vocês demonstram-me, sempre, que a verdadeira essência do português é amável e afetiva para os estrangeiros. OBRIGADA aos portugueses que sempre me receberam de braços abertos e que são tão queridos para mim», rematou.

 


 

 

VEJA TAMBÉM:
«Desequilíbrio emocional»! Mãe de Angélica sofre de «ansiedade e depressão»
Angélica com arma apontada à cabeça: «Se corres, eu disparo»

 

Texto: Márcia Alves; Fotografias: Nuno Moreira e reprodução redes sociais

PUB
Top