Ângelo Rodrigues: PJ não irá investigar o que levou ator aos cuidados intensivos

A Polícia Judiciária não irá investigar o caso que levou Ângelo Rodrigues a ser internado nos Cuidados Intensivos, em especial a origem da testosterona que terão provocado a infeção.

07 Set 2019 | 17:50
-A +A

Ao contrário do que tinha sido avançado há cerca de duas semanas, quando Ângelo Rodrigues foi internado do Hospital Garcia de Orta, em Almada, a Polícia Judiciária (PJ) não vai investigar o caso que levou o ator à Unidade de Cuidados Intensivos.

De acordo com o jornal Correio da Manhã, a PJ não vai, por isso, ficar a saber «quem vendeu a testosterona» que Ângelo terá injetado e que lhe terá provocado uma infeção generalizada, nem se a mesma seria falsificada. A mesma publicação adianta que a equipa médica que acompanha o intérprete desconfia, desde o início, que esse esteróide foi importado do Brasil e estaria fora do prazo de validade.

Recorde-se que há um vazio legal no que diz respeito ao uso de anabolizantes esteróides sem ser em ambiente hospitalar, o que impede a punição.

 

Ângelo continua tratamentos em câmara hiperbárica

 

O ator, que dá vida a Bruno na novela Golpe de Sorte, da SIC, vai continuar a ser submetido a tratamentos em câmara hiperbárica, de forma a ajudar à cicatrização das feridas provocadas pela infeção e que chegaram a levar a equipa médica a colocar a hipótese, entretanto afastada, de amputação de uma das pernas devido a tecidos necrosados.

A próxima fase de tratamento, diz ainda a CMTV, será a reconstrução dos locais onde foram retirados esses tecidos necrosados.

 

VEJA TAMBÉM:
Ângelo Rodrigues está «apático» e médicos pedem «avaliação psiquiátrica»
Revelação! Foi Margarida Aranha quem levou Ângelo Rodrigues ao hospital

 

Texto: Ana Filipe Silveira; Fotos: reprodução redes sociais

PUB
Top