“As dores são grandes e as emoções muito fortes”: Cecília Henriques relata parto difícil

Cecília Henriques foi mãe pela primeira vez a 31 de março. A pequena Celeste nasceu, mas não foi um parto fácil. “O cansaço foi o maior que senti na vida”, relata a atriz.

05 Abr 2021 | 21:40
-A +A

Cecília Henriques foi mãe da pequena Celeste no passado dia 31 de março e nesta segunda-feira, 4 de abril, partilhou com os seguidores a experiência do parto.

“Estou a recuperar de 24 horas de tentativa de parto vaginal, que não desenvolveu, e acabou numa cesariana. As dores são grandes e as emoções são muito fortes”, começa por escrever na rede social Instagram.

E continua a relatar o dia mais especial da vida dela. “O cansaço foi o maior que senti na vida. Vou do choro ao riso muito fácil. Género ataque de choro, ataque de riso. Quando olho para ela e para o Filipe, choro muitas vezes. Ele ri-se e diz que me ama. Permito-me, porque não há nada mais forte que isto tudo que se passou e ainda agora começou. Nada”, realça.

E agora que já está a viver o papel de mãe na sua plenitude, Cecília Henriques deixa um recado para todos os pais e mães. “Uma boa semana para todes, principalmente para as mães e mães e pais e pais, que precisam tanto de colo como os seus filhos”, finaliza.

Veja a publicação, na qual aparece a cara de Celeste, na nossa galeria.

“Uma família é o que quisermos que ela seja”: Cecília Henriques desabafa e dá que pensar

Ainda Cecília Henriques estava grávida e já mostrava revolta com determinadas palavras que leu e ouviu.

A atriz referiu que “nesta viagem de ter filhos”, tanto ela como o companheiro, Filipe Sambado, se têm “deparado com ideias que perpetuam a normalização de uma família dita convencional”. E isto acontece “muito mais” do que achavam “possível”“Entristece-nos muito, que pessoas, marcas, empresas, whatever, não estejam engajadas no sentido de procurar diversificar esta ideia de família e de pai e de mãe e de filhes”, escreve.

“Anos e anos de luta contra o patriarcado e agora vem bater à minha porta”

E continua: “Passando pelo, ‘ah, o Filipe usa saia e baton?’, para o ‘ah, agora que vai ser pai é que está a ficar mais macho, sim senhor!’”, desabafa. “Tudo o que eu menos quero é que a pessoa com quem eu estou a partilhar a vida tenha ar de macho”, salienta. “Mas dizem-me em tom de elogio, que não sei se me ria ou chore. Anos e anos de luta contra o patriarcado e agora vem bater à minha porta”, acrescenta.

“As cores que vamos usar na Celeste são TODAS AS CORES. E vai com patos e princesas, carros e motos, e castelos. E também me deparei com o choque que é para algumas pessoas”, garante.

Para Cecília Henriques, “uma família é o que nós quisermos que ela seja para nós”. “São amigas e um gato, são duas mulheres e um filho, são pessoas não binárias com um lagarto, são um homem e uma mulher com três filhos, são casais que decidem não ter filhos, são duas amigas, pessoas trans com duas filhas! No caso destas coisas da puericultura, é só: ‘Têm um filho, então são pais ou mães. Tanto ou mais como os outros.’ E pronto. Acabou-se a conversa”, acrescenta.

Leia a notícia completa aqui.

Texto: Andreia Costinha de Miranda; Fotos: Reprodução Instagram
Leia também:
“Olá, eu sou a Celeste”: Cecília Henriques é mãe. Veja as fotos da bebé

PUB