Autora de novelas da TVI perseguida por ex-namorado durante quase 10 anos

Maria João Costa, autora de várias novelas de sucesso da TVI, revelou que foi vítima de stalking. “Deixei de sair para sítios públicos”, confessou.

19 Abr 2022 | 13:50
-A +A

Maria João Costa, autora de várias novelas da TVI, foi vítima de perseguição durante quase 10 anos. A revelação foi feita pela própria numa reportagem para o “Jornal das 8”, que foi transmitida nesta segunda-feira, 18 de abril, data em que se assinala o Dia Nacional de Sensibilização para o Stalking.

Maria João Costa foi perseguida por um ex-namorado, que não aceitou o final da relação. “O objetivo é destruir o outro, causar dano. Não estás comigo, também não vais ter vida”, começou por dizer ao noticiário da TVI, sublinhando que estas situações “entram quase como um furacão na nossa vida”.

“Há pessoas que ficam à porta do escritório, à espera. Não fazem nada, estão ali a olhar. É intimidatório. Essa coisa de a pessoa ligar 100 vezes seguidas é criminoso”, afirmou, contando que se viu obrigada a mudar certos hábitos para fugir do ex-namorado. “Deixei de sair durante dois anos para sítios públicos, porque tinha medo que ele de repente aparecesse num lugar qualquer. Ia só a casa de amigos e não fazia mais nada além disso”, recordou Maria João Costa, responsável por vários sucessos da TVI, como “Ouro Verde” e “Valor da Vida”.

O Stalking é crime em Portugal desde 2015. Só em 2021, chegaram 253 queixas à APAV (Associação de Apoio à Vítima), o que coloca este num dos 10 crimes mais reportados à instituição.

Há mais famosas vítimas de stalking além da autora da TVI

Ao longo dos últimos anos, têm sido vários os casos de figuras públicas que revelam que já foram vítimas de perseguição. Joana Cruz, por exemplo, viveu um pesadelo com um homem que, além de a perseguir, lhe enviava e-mails, mensagens escritas com fotografias do órgão sexual e ameaças à sua integridade física (leia aqui).

Em 2019, Bárbara Bandeira recorreu às redes sociais para relatar uma experiência semelhante. A cantora foi vítima de stalking por parte de um fã, que lhe enviava mensagens constantemente e que chegou mesmo a falar em suicídio. “Diz que não vai ficar sem mim, que prefere não estar neste mundo do que estar sem mim e para quando eu o vir lhe falar”, contou, na altura (leia tudo aqui).

Maria Botelho Moniz também já denunciou um caso de perseguição. Durante “dois ou três anos”, a apresentadora da TVI viveu num clima de medo constante por estar a ser perseguida e ameaçada por uma pessoa que nunca chegou a conhecer. Maria via-se, muitas vezes, obrigada a pedir ajuda para sair dos estúdios em que estava gravar. O caso foi parar ao Ministério Público (MP), com uma queixa apresentada pela própria. “Eu era perseguida. Não conseguiram chegar à pessoa”, lamentou, acrescentando que a Justiça nunca conseguiu “fazer nada”, quando falou do caso em 2020. O processo, que tinha dado entrada no MP no final de 2012, acabou por não dar frutos e “foi arquivado”.

Texto: Patrícia Correia Branco; Fotos: Impala e Reprodução redes sociais
PUB