Vítima de BULLYING, bailarino de Conan Osíris levava «CHAPADAS NA CABEÇA»

João Reis Moreira, bailarino e parceiro artístico de Conan Osíris, confessou a Rui Unas que foi alvo de preconceito e agressões durante a infância e adolescência.

29 Mar 2019 | 8:50
-A +A

Há um mês e meio, pouca gente sabia quem era João Reis Moreira. O que mudou radicalmente desde 16 de fevereiro, dia da primeira semifinal do Festival da Canção 2019. O bailarino de Conan Osíris tornou-se reconhecido a nível internacional e, agora, partilha o caminho que percorreu até se tornar conhecido.

 

Veja mais: Quem é o bailarino de Conan Osíris?

 

Esta quarta-feira, 28 de março, João foi o convidado de honra do programa digital Maluco Beleza, apresentado por Rui Unas. Além de revelar como foi o primeiro encontro com Conan Osíris, João contou também como foi todo o seu início do mundo da dança. Tudo começou aos 11 anos, quando se sentiu rodeado de preconceitos sobre dança e sobre o próprio gosto por esta arte.

«Eu era muito novo e estava um bocado rodeado de preconceitos sobre dançar e sobre o que seria isso e esse meu gosto, de tal forma rodeado que chegaram a crescer em mim preconceitos», explica. 

João considera que, na altura, o facto de um rapaz dançar «não era algo socialmente bem aceite» e que tal poderia originar «comentários menos agradáveis».

 

Veja mais: Bailarino de Conan Osíris levou com «m**da na cara» sem se poder defender

 

Embora tenha andado numa escola primária onde sempre se sentiu protegido, tal não aconteceu quando teve de mudar para uma escola básica, inserida num bairro social, e foi onde começaram os episódios de bullying, não por gostar de dançar, até porque não o fazia na escola, mas sim por ter definido um estilo que na altura ainda não era bem aceite. «Nunca dancei na escola. Bastava já estar a conjugar um verde com um laranja e já levava uma chapada na cabeça.» 

 

«Forcei as pessoas a aceitarem-me»

 

O bailarino de 23 anos teve de aprender a viver neste novo ambiente. «Tive de aprender que ainda tinha mais cinco anos pela frente naquela escola. Não ia estar a levar chapadas todos os dias! Tive de arranjar formas para conseguir viver bem naquela escola», conta, acrescentando que esta atitude fez com que as pessoas o aceitassem e que chegou mesmo a ganhar proteção e respeito dos mais crescidos por nunca baixar a cabeça, mesmo quando era «agredido».

«Forcei as pessoas a aceitarem-me», relembra João Reis Moreira. «Bati sempre o pé. Via bué putos a levarem chapadas e a ficarem com a cabeça baixa e a irem para a parte de trás de escola só para não terem de se cruzar com ninguém e eu fui sempre onde tinha de ir, se levasse chapada ficava sempre de cabeça erguida. Isso acabou por levantar interesse por mim e começaram a respeitar-me e a ser protegido pelos mais crescidos.»

 

Texto: Redação WIN – Conteúdos Digitais; Fotos: Arquivo Impala, RTP e redes sociais

PUB
Top