“Big Brother”. Estrela brasileira aplaude TVI e condena Hélder: “Nazismo nunca mais”

A atriz brasileira Marisa Orth, que o público conhece da sitcom “Sai de Baixo”, veio a público defender a TVI e a Endemol no caso que culminou com a expulsão de Hélder Teixeira do “Big Brother”.

09 Fev 2021 | 21:40
-A +A

Que a expulsão de Hélder Teixeira do “Big Brother” tinha ultrapassado as fronteiras de Portugal e chegado ao Brasil não é novidade. Mas, quase duas semanas depois do sucedido, a drástica medida tomada pela TVI e pela Endemol Portugal, a produtora do reality show, continua a ter repercussões naquele país. Agora, foi a vez de a conhecida atriz Marisa Orth se pronunciar publicamente sobre o assunto.

Nas redes sociais, a popular artista brasileira partilhou o vídeo do momento em que o soberano da casa mais vigiada do País justifica a punição mais gravosa que atribuiu ao então concorrente. “Olha que ‘legal'”, comentou Marisa Orth, de 57 anos. Em forma de hashtag, acrescentou: “Nazismo nunca mais”.

Com 30 anos de carreira, a atriz chegou ao grande público português pelo papel de Magda que desempenhou na sitcom “Sai de Baixo”, transmitida pela Globo entre 1996 e 2002, na qual contracenava com nomes como Miguel Falabella, Aracy Balabanian, Luis Gustavo e Tom Cavalcante.

 

Hélder foi expulso do “Big Brother” por ter feito saudação nazi

 

Hélder Teixeira foi expulso do “Big Brother – Duplo Impacto” por ter feito repetidamente a saudação nazi. O soberano do reality show da TVI não perdoou e decidiu expulsar o concorrente de Santa Maria da Feira, precisamente um dia depois de se ter comemorado o Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto, em que se assinala a libertação, em 1945, do campo de concentração e de extermínio de Auschwitz-Birkenau pelo Exército Vermelho. Mais de seis milhões judeus europeus foram mortos pelo regime nazi durante o Terceiro Reich.

Menos de 24 horas depois da expulsão, Hélder assumia, aos jornalistas, que considerava injusta a sanção recebida. “Não concordo com a minha expulsão. Concordo, sim, que poderia ser punido. Por exemplo, no domingo, se não saísse, ficaria automaticamente nomeado para a semana seguinte. Acho que deveria ser aplicada uma sanção, mas não a expulsão”, começou por dizer o ex-concorrente.

“Acho que foi injusto. Eu não fazia a mínima ideia de que o gesto que fiz podia magoar meio mundo ou o mundo inteiro. Fiz sabendo que é um gesto militar mas não focando na Alemanha ou no Hitler. Fiz porque sim, porque achei que era engraçado e não estava a levar para a maldade”, acrescentou.

O ex-concorrente admitiu que saiu triste desta situação. “Não saio magoado com a equipa, nem com a TVI. Fico muito triste, muito triste com a forma como o ‘Big Brother’ me expulsou da casa e a frieza que ele usou. Eu sou contra a violência e contra tudo o que ele fez”, assumiu, tendo referido que não quer dizer o nome de Hitler. “Não fazia a mínima ideia que aquele gesto podia afetar muitos seres humanos.”

 

Leia tudo aqui.

 

Texto: Dúlio Silva com Ana Lúcia Sousa; Fotos: Divulgação TVI e reprodução redes sociais

PUB
Top