Cancro, enfarte e automutilação marcam estreia de Amigos Improváveis – Famosos

Na estreia de Amigos Improváveis – Famosos, foram conhecidas as histórias de vida de alguns dos jovens candidatos. Fernando Póvoas foi o que mais se emocionou a ouvir os relatos… e a fazer o seu.

02 Mar 2020 | 1:48
-A +A

Já arrancou o programa Amigos Improváveis – Famosos. Nel Monteiro e a mulher, Juju, Io Appolloni, Graça Peralta, Fernando Póvoas e Manuela Marle foram as figuras públicas escolhidas pela SIC para receber nas suas casa jovens com quem terão de conviver nas próximas semanas.

Na emissão inaugural, transmitida este domingo, 1 de março, pela estação de Paço de Arcos, os cinco famosos entrevistaram os candidatos e um deles até já escolheu o primeiro inquilino que vai receber na sua habitação.

Antes, destaque para as histórias de duas jovens que deverão reaparecer nas próximas emissões de Amigos Improváveis – Famosos. A primeira é a de uma rapariga que, falando sobre o intuito deste programa, lamento o facto de “haver idosos que estão muito sozinhos”.

Não aguentou as lágrimas. Logo depois, tentou explicar-se: “Desculpem… Nós (eu e os meus avós) tínhamos uma ligação muito próxima. Quando eles foram, custou-me um bocadinho. Todos os dias falava com eles, nem que fosse por telemóvel. Todos os fins de semana, ia a casa deles…”

Na sala com todos os séniores famosos, Appolloni mostrou-se sensibilizada com o que acabara de ouvir. “Parece-me uma boa menina”, disse, por sua vez, Póvoas.

Poucos minutos depois, uma nova história arrepiante. E de novo pela voz de uma rapariga. “Como já fui rebaixada, automutilei-me. Não havia ninguém que gostasse de mim, não sei porquê… O meu corpo diminuiu. (…) As pessoas pensavam que eu não queria ser magra e bonita e agora sou. Eu já era bonita, só que a beleza é diferente”, revelou a jovem.

Ao ouvir aquele testemunho, Graça Peralta constatou: “Andar na escola pode ser cruel.”

A mulher de Nel Monteiro também se sensibilizou com aquela história e foi mais longe, tornando público um episódio da vida familiar: a filha também sofreu de bullying. “Era por ser filha de quem era e por dançar com o pai”, referiu.

E exemplificou: “Partiram-lhe um telemóvel… Ela dizia-me que o tinha deixado cair e um carro é que tinha passado por cima. Cortaram-lhe um pedaço de cabelo. Depois, nas redes sociais, eram aquelas coisas que… (interrompe) Chamavam-lhe de tudo, de tudo!”

Tudo mudou no dia em que Juju foi levar a filha à escola. “Ela disse-me: ‘Mãe, espera aqui comigo, porque eu vou entrar depois de a professora entrar’. E eu vi duas colegas a olharem para ela e a rirem-se. Nesse mesmo dia, no balneário, escarraram-lhe a roupa. Meninos a quem eu dava catequese! Meninos a quem eu ensinava para fazer o bem e não o mal. Meninos a quem eu dizia para repartir com os colegas que dessem conta de que estavam a passar fome”, insurgiu-se.

“Que coisa horrível”, reagiu Graça Peralta. A mulher de Nel Monteiro rematou com uma mensagem positiva. “Hoje, ela ganhou uma autoestima de ‘quem vai à guerra, dá e leva’”, concluiu.

 

Nel Monteiro e Júlia, 74 e 51 anos

 

“Sou um pinga-amor.” Assim se descreveu Nel Monteiro no início de Amigos Improváveis – Famosos, ele que fez questão de destacar que tem “apenas a quarta classe” mas que é um “homem de mil ofícios”. Ao seu lado nesta experiência social tem a mulher, Júlia, a quem trata como Juju com quem é casado há 15 anos.

“Tenho a certeza de que vamos sair com amigos para a vida”, assegurou o popular cantor de música popular portuguesa na apresentação.

A primeira entrevista que o casal fez foi a Bruno de Sousa, de 21 anos e de Paços de Ferreira. “Sou novo, dinâmico e desenrascado e gosto de ter as coisas feitas à minha maneira. Tenho preocupações com o ambiente e acho que nenhum jovem neste século pode ser indiferente às catástrofes naturais que estão a acontecer neste momento”, considerou. Num tom menos sério, afirmou: “Sou muito vaidoso e gosto de cuidar da minha aparência.”

No final da conversa, Nel Monteiro e Juju mostraram gostar de Bruno, ressalvando o facto de este ser “uma pessoa muito alegre”.

Seguiu-se uma entrevista a Luís Martins. De 21 anos, este jovem do Pombal está a tirar licenciatura em marketing mas com os olhos postos num futuro ligado à moda. “Nunca deixo nada por fazer. Sou muito focado e concentrado nos meus objetivos. Quero muito mais do que o ordenado no final do mês e sem ambição não vamos a lado algum”, descreveu-se.

O episódio terminou com Bruno a ser o primeiro jovem escolhido pelo cantautor que assina êxitos como Azar na Praia. Nascido em Barrô, Resende, Nel Monteiro vive em Albergaria-a-Velha. É para lá, por isso, que o eleito se vai mudar de armas e bagagens.

 

Io Appolloni, 74 anos

 

Em conversa com os restantes séniores famosos, Io Appolloni disse-se “muito contente por estar neste programa”. Mãe de três filhos, justificou o facto de ter aceitado o convide da SIC: “Não tenho netos.”

Mais tarde, a atriz, cantora, dramaturga, comediante e empresária portuguesa de origem italiana revelou um dos cenários que mais a incomoda. “Quando vou a um restaurante e vejo uma mesa com o pai, a mãe, o filho e a filha com os telemóveis… Não falam, só olham para aquilo, pá! Juro-te, fico transtornada”, disse, incomodada.

Em depoimento, Io Appolloni afirmou mesmo que “a única coisa” que espera não encontrar em Amigos Improváveis – Famosos é “rapazes e raparigas que estejam sempre com o telemóvel à frente”. “Isso faz-me muita aflição”, frisou.

Este, de resto, foi um assunto pelo qual foi pautando as entrevistas com os jovens. Antes da primeira, foi questionada por um elemento da produção sobre o que acha sobre estas pessoas que os jovens seguem nas redes sociais. “Ai, filho, não acho piada nenhuma. Sabes porquê? Eu não posso perder tempo!”, prontificou-se a responder.

Entrou, depois, a primeira candidata: Catarina Gonçalves. Esta jovem de 19 anos, vinda de Monte Abraão, tem formação na área de cozinha e pastelaria mas não imagina o seu futuro nessa área. “Gostava de ter um hostel, uma agência, um restaurante, muitas coisas”, confidenciou a Io Appolloni.

Em depoimento, destacou um facto sobre a sua vida que muitas gargalhadas motivou, por exemplo, à mulher de Nel Monteiro. “Poucas pessoas sabem, mas adorava ter uma vaca como animal de estimação. São amorosas. Desde pequenina que adoro”, atirou. Mais a sério, acrescentou: “Espero encontrar um sénior moderno e com uma ótima imagem. Juntos vamos divertir-nos a valer.”

Em conversa com a atriz, Catarina foi confrontada com o tempo que perde à frente de um computador. “Eu não considero que seja perder… também não é ganhar, mas não é perder. No computador, não. No telemóvel, algum”, apressou-se a dizer.

A conversa continuou com a jovem a enumerar algumas das vantagens das tecnologias e das redes sociais. Fazer uma videochamada? Io Appolloni ficou incrédula: “Tu és completamente maluca, pá! Desculpa que te diga. Não estou para isso, de maneira alguma. Não tenho tempo e não sei nem quero aprender. Não posso perder tempo. Prefiro ler um bom livro.”

E que livro? “Neste momento, estou a ler Cadernos de Lanzarote, do (José) Saramago.” A jovem fez uma expressão que revelava desconhecimento. “Tu sabes quem é o Saramago?”, logo perguntou a atriz.  “Eu sei, eu sei de ouvir na escola, mas…”, hesitou a jovem. Io Appolloni ficou revoltada. “Não saber quem é saramago é trágico! É assustador!”, disparou, em depoimento.

 

Graça Peralta, 57 anos

 

Diretamente de Campo Maior, a estudante de Psicologia Beatriz Contenda, de 19 anos, foi a primeira jovem a ser entrevistada por Graça Peralta. “Sou divertida e adoro sair para ir dançar com os meus amigos. Espero que o meu amigo adore dançar e seja danado para a brincadeira”, apresentou-se.

Em conversa com a ex-concorrente de Casados à Primeira Vista, Beatriz explicou que entrou nesta experiência social, precisamente, por estudar Psicologia. “Achei que era muito interessante para a minha área e a forma como posso aprender”, explicou à portuense.

Mais tarde, lamentou o seu insucesso na vida amorosa. “Não tenho tido muita sorte no amor. Sou um coração partido, basicamente”, explicou, em depoimento. “As pessoas não têm paciência, hoje em dia, para criar aquele laço. É preciso paciência para conversar”, defendeu, por sua vez, em conversa com Graça Peralta.

 

Fernando Póvoas, 66 anos

 

O médico e empresário Fernando Póvoas também está em Amigos Improváveis – Famosos, um convite que Aceitou para poder “cortar a rotina” que leva no dia-a-dia.

O clínico começou por conversar com Ruben Cotrim, de 28 anos, vindo diretamente de Santa Cruz. “Um dia ainda vou ser presidente de Santa Cruz! Trabalho como organizador de eventos, técnico de serigrafia e massagista. Também sou pescador profissional, nadador-salvador credenciado e guia marítimo turístico na ilha da Berlenga. Desde cedo que tive de assumir o papel de chefe de família e há oito ano tive de levar isso mesmo a sério: sou pai”, apresentou-se.

A conversa com Fernando Póvoas foi acontecendo até que ambos encontraram um ponto em comum: as idas a Santiago de Compostela. O jovem quis, então, saber se o médico escolhe este destino “pelo lado religioso ou pelo lúdico e desportivo”.

“Respondo-te de duas maneiras: sim e não. Vou fazer uma confissão em público”, antecipou Póvoas, para, então, explicar: “Comecei por ir por convívio com amigos e fazer algum exercício. Na primeira vez que fui, o meu primeiro neto tinha nascido há dois três meses. O meu neto, quando vinha para o meu colo, fazia sempre uma cara de estranho e pouco feliz. Fiquei caladinho e nunca disse a ninguém que tinha essa tristeza. Chegámos a Santiago no dia da Páscoa e a minha filha foi ter connosco e levou o bebé. Fui pegar no neto e, quando pego nele, o meu neto sorriu para mim e as lágrimas vieram-me aos olhos. Acho que a partir daí comecei a ir a Santiago por tudo.”

Fernando Póvoas mostrou-se, depois, interessado pelas tatuagens de Ruben e este fala na que tem “mais” significado para ele: o rosto do pai. “Faleceu quando eu tinha 15 anos. Acho que a melhor homenagem que lhe podia fazer era marcá-lo em mim para o resto da vida”, explicou, referindo que o progenitor foi vítima de um cancro do pulmão.

Esse foi, de resto, um período “um pouco atribulado” na vida de Ruben. “Perdi os meus avós e o meu pai muito cedo. A minha avó aos dez, o meu avô aos 13 e o meu pai aos 15. Hoje vivo com a minha mãe”, confidenciou, classificando a sua história de “agridoce”. Fernando Póvoas ficou manifestamente sensibilizado. “O Ruben foi à luta e merece toda a sorte do mundo. (…) Vejo que é um homem com memória e com saudade.”

Já aquando da saída de Ruben da sala, o clínico fica com os olhos marejados de lágrimas. “Era a relação que tinha com o meu pai”, comparou. O progenitor do também empresário morreu vítima de um enfarte. “Não cheguei a tempo” de o ver, recordou o médico, que estava em trabalho num jogo de futebol quando foi chamado porque o pai não se estava a sentir bem. “Esteve três horas à espera que eu chegasse de Corunha, mas já não fui a tempo”, lamentou, emocionado.

 

Manuela Marle, 64 anos

 

Com mais de 30 anos de carreira e a preparar o regresso ao teatro, a atriz Manuela Marle foi a última figura pública a conversar com jovens. Antes, instada por Fernando Póvoas a falar sobre o uso de telemóveis dos mais novos, disse-se contra “aqueles que ficam compulsivamente” ao aparelho. “Parece que vão ter um AVC. Não dá!”, exclamou.

Em jeito de apresentação, mostrou-se expectante com esta experiência social: “Espero encontrar jovens com pedalada para acompanharem o meu andamento. E também têm de ser simpáticos, alegres… Detesto pessoas trombudas. E quero que aprendam a ter calma e, se possível, que sejam compreensivos com a avó Manelinha.”

 

Texto: Dúlio Silva; Fotografias: Divulgação e reprodução SIC

PUB
Top