Carlos Areia REAGE a caso de BURLA: «É uma OFENSA para quem está TESO»

Carlos Areia viu-se envolvido num esquema virtual fraudulento. Fotografia do ator está a ser usada em alegado negócio de bitcoins, uma moeda usada virtualmente na Internet.

01 Fev 2019 | 11:35
-A +A

O ator esteve esta manhã, dia 1 de fevereiro, no programa Alô Portugal para reagir a toda esta polémica. Carlos Areia apareceu numa notícia que se tornou viral nas redes sociais como o protagonista de um «milagre». O site, não reconhecido como um meio de comunicação social, avança com um artigo com o título «caminho fácil da falência a milionário – ‘oportunidade que ninguém devia perder’, diz Carlos».

Em entrevista a José Figueira e Ana Marques, Carlos reagiu e alertou todos para esta fraude.

«Eu não tenho moeda nenhuma, nem das outras tenho!»

 

«Apareceu uma fotografia minha, até bem vestidinho, vestido assim à rico a dizer que eu tinha ganho 2 milhões e 300 mil euros, o que é uma ofensa para quem está teso», começa por dizer. «Eu não tenho moeda nenhuma, nem das outras tenho!». 

Veja também: Namorada de Carlos Areia surpreende-o com prenda

Carlos confessa que, ao início, achou graça e nem deu importância. Foi a mulher quem o alertou para o caso. Os autores do esquema aproveitaram o facto de Carlos ter dito, numa entrevista, que estava sem trabalho a passar por dificuldades económicas.

«Serviram-se da minha imagem, talvez um pouco associada a uma entrevista que eu dei…eles são inteligentes! Pegaram na minha imagem e disseram que estava em direto num canal da concorrência a dizer como é que eu tinha ganho esse dinheiro num espaço de um mês, com a quantia de 250 euros». 

«Ainda hoje continuo a receber mensagens»

 

O pior é que Carlos começou a receber muitas mensagens na sua página pessoal com imensos pedidos de ajuda de pessoas desesperadas. «Comecei a ficar assustado». 

O artista revela que não foi o único a ser utilizado neste esquema. A imagem de Manuel Luís Goucha e Pedro Lima também foi utilizada.

Veja também: Carlos Areia: «Ainda sou muito ingénuo»

Apesar de já ter denunciado a página, o Facebook ainda não a bloqueou. «Ainda hoje continuo a receber mensagens». 

Para além de ter denunciado o caso através de um vídeo nas redes sociais, Carlos afirma já ter dado conhecimento às autoridades para ficar salvaguardado, tendo apresentado queixa contra desconhecidos por usurpação de identidade.

Texto: Redação WIN Conteúdos Digitais/ Fotos: Arquivo Impala e DR

 

 

 

PUB
Top