Carrilho acusa Tribunal de ignorar filhos

O antigo ministro da cultura não reconhece crimes e classifica decisão do tribunal como «incompreensível».

02 Nov 2017 | 19:48
-A +A

Já vai longa a história de acusações entre Bárbara Guimarães e Manuel Maria Carrilho. O antigo ministro da cultura foi condenado, esta terça-feira, dia 31 de outubro, a quatro anos e seis meses de pena suspensa.

Depois de vários famosos terem «aplaudido» a condenação, Manuel Maria Carrilho reagiu nas redes sociais com um longo texto onde culpa o Tribunal e alega que este ignore o sofrimento dos filhos, Dinis e Carlota.

«A morte não é nada, o que importa é a injustiça», de Albert Camus é a frase escolhida pelo ex-marido de Bárbara Guimarães para iniciar o texto publicado no facebook na tarde de quarta-feira, dia 1 de novembro.

O divórcio do casal aconteceu em novembro de 2013, há precisamente quatro anos.

Carrilho nega as acusações de violência doméstica à ex-mulher

«Em Outubro de 2013 a minha então mulher, Bárbara dos Santos Guimarães, acusou-me falsamente de violência doméstica, estando ainda em curso o respectivo julgamento, que se iniciou em Fevereiro de 2015, a decorrer a sua fase final. Para compensar a ausência de provas desta gravíssima e falsa acusação, a minha ex-mulher e os seus cúmplices multiplicaram desde cedo os incidentes de toda a ordem, de modo a tentarem provar assim a minha alegada “perigosidade” e “agressividade”.»

Ao longo do texto, Manuel Maria acusa ainda a apresentadora da SIC de, com a ajuda dos seus «cúmplices», montar um processo «com testemunhas a mentirem, com vídeos manipulados a serem entregues (e aceites!…) em tribunal e um sem fim de maquinações.»

Após estes argumentos, o político começa a falar dos filhos em comum com Bárbara Guimarães, Dinis e Carlota.

«Tudo se intensificou quando, em Maio de 2014, eu denunciei não só as brutais agressões da mãe ao Dinis – por ele várias vezes confirmadas em Tribunal de Família e em Tribunal Criminal, em declarações certificadas como “autênticas e vivenciadas” pelo Instituto de Medicina Legal -, mas também o abandono em que ela deixou ambos os filhos na noite de 21 de Maio desse ano, abandono mais do que comprovado pela gravação do telefonema que eu próprio fiz para a Polícia (e que foi gravado pela própria Polícia) e pelas próprias imagens de video-vigilância do prédio.»

Leia mais  aqui

 

PUB
Top