Catarina Furtado encontra menino refugiado que foi capa da revista Time!

Apresentadora está no Bangladesh em visita, pela primeira vez, a um campo de refugiados. O encontro com Asum, de dez anos, foi registado para a posteridade.

24 Jul 2019 | 8:10
-A +A

Catarina Furtado está no Bangladesh, em reportagem para o programa Príncipes do Nada, da RTP, e visitou pela primeira vez um campo de refugiados. Nas redes sociais, a apresentadora da estação pública tem mostrado algumas imagens desta viagem, mas houve uma que se destacou e que mereceu vários comentários dos seguidores.

Catarina publicou uma fotografia ao lado de um menino de 10 anos. «Asum nasceu surdo e veio (como todas as cerca de um milhão de pessoas) fugido do Myanmar para este campo de refugiados do Bangladesh com os tios (que o adotaram informalmente)», contou.

Asum foi capa da revista Time, em 2017, com uma fotografia de Kevin Frayer que ilustrou a reportagem sobre o drama dos refugiados naquele país. A imagem marcou pela dor no rosto do menino, que chorava em desespero. «Impressionou de tal forma que a equipa da Organização Internacional para as Migrações não se esqueceu mais dele e veio a encontrá-lo juntamente com a sua família, algures nestes imensos terrenos que antes eram uma selva com elefantes», contou, acrescentando também: «O sorriso que tinha desaparecido há dois anos é agora contagiante de tão doce».

 

«Já vi muitas mortes»

 

Catarina Furtado embarcou para o Bangladesh no sábado, dia 20 de julho, numa viagem que terá a duração de duas semanas. Ao site da Nova Gente, a apresentadora falou sobre as expetativas que sentia no momento: «Estou inquieta. Já vi muitas mortes, já me despedi de mulheres a dar à luz, já vi muitas crianças partirem. Na minha preparação, vi a reportagem de uma enfermeira, que estava lá em missão, e que dizia na sua crónica que achava que estava preparada, mas chegar a Cox’s Bazar, para onde vou, não tem comparação a nada. A única coisa, disse ela, é todos os dias preparar o seu coração. Acho que esta é a missão da minha vida e é bom ter a RTP como parceira. Mais do que uma experiência, é o que está certo, o que deve ser feito, mas claro que não deixa de ser inquietante».

 

Texto: Patrícia Correia Branco; Fotos: Impala e Instagram

PUB
Top