Catarina Urbani recorda momento doloroso: “Fui ao fundo do poço”

Catarina Urbani ficou conhecida por fazer parte do elenco da 6ª temporada de verão da série Morangos com Açúcar, da TVI. A antiga atriz recorreu ao seu Instagram para fazer um longo desabafo.

27 Out 2023 | 22:40
-A +A

Catarina Urbani ficou conhecida por fazer parte do elenco da 6ª temporada de verão da série Morangos com Açúcar, da TVI. A antiga atriz recorreu ao seu Instagram para fazer um longo desabafo: “Este foi realmente o ano em que fui ao fundo do poço e voltei. O ano em que tive momentos que acreditei que agora não estaria aqui a escrever-vos”, começou por escrever.

Leia ainda: Morangos Com Açúcar: As 5 piores críticas à nova temporada

Sandrina Pratas diz sentir-se sexy

“Estive profundamente deprimida, sozinha, desfeita em cacos, a dormir escassas horas de sono por dia, com o coração desfeito, sonhos cortados em pedacinhos, uma desmotivação enorme apenas para viver. Considero que até 2023 não sabia verdadeiramente o que era a angústia de um luto amoroso verdadeiro”, acrescentou Catarina Urbani. “Não sabia o que era perder o propósito por conta da falta de alguém. Se pode parecer exagerado? Pode. Mas foi o que eu senti”.

“Passei horas deitada na cama do meu filho, em posição fetal, a tremer, sem ver uma luz ao fundo do túnel e sem saber o que fazer. Sem saber quando essa angústia iria passar e se iria passar. Estive no fundo do poço, e tirei selfies e tudo… fiz coisas das quais não me orgulho, tive pensamentos nos quais não me revejo e senti dores que eu mesma se visse de fora diria “que exagero”. Não há motivo pra tanto. Era o que me diziam, e isso deixava-me ainda mais triste por eu massacrar-me por ser uma FRACA. Foi muito duro. MUITO MUITO MUITO. Não consigo escrever sobre isto sem chorar”, disse ainda.

Catarina Urbani sobre depressão: “Ainda está longe de passar e cicatrizarem de vez todas as feridas que esta fase me criou”

A ex-moranguita confessou que as feridas ainda continuam abertas: “Ainda está longe de passar e cicatrizarem de vez todas as feridas que esta fase me criou. E eu sempre dizia com um sorriso na cara “quando estou triste dá-me pra comer e comer e comer, acho chique quem fica sem fome. Pois fiquem sabendo que depressão a sério neste corpitxo levou-me a não ligar NADA a comida. Perdi a sensação de fome e imaginar comer pra mim era algo penoso e custoso. Uma coisa que eu nunca partilhei aqui foi onde me agarrei pra me reerguer”.

E continuou: “Que eu tive forçosamente que me agarrar a mim, à minha força interior e ao meu amor próprio isso vocês já tão carecas de saber… mas talvez o que não saibam e que eu já contei a muita gente próxima e agora quero contar também a vocês, foi que eu agarrei-me muito à CIÊNCIA. Sim, debrucei-me a perceber o que se passava comigo bioquimicamente, para conseguir usar ferramentas inteligentes para contrariar o que o meu corpo estava a fazer. Em parte a Ciência e o gosto pela descoberta do conhecimento salvaram-me. Nós somos um algoritmo. Vale a pena entendermo-nos”, escreveu, por fim.

Texto: Sofia Mendes
Fotos: Redes sociais
PUB