“Chibos e ressabiados”: Joana Amaral Dias responde à letra após chuva de críticas

Joana Amaral Dias foi arrasada por se mostrar de férias na Madeira em pleno confinamento causado pelo agravamento da pandemia. Em resposta, a psicóloga garantiu que nada fez de “ilegal”.

09 Fev 2021 | 8:00
-A +A

De férias com os filhos na Madeira, Joana Amaral Dias tem partilhado, nos últimos dias, vários registos fotográficos dos seus momentos de lazer pelo arquipélago nas redes sociais, o que desencadeou diversas críticas por parte de quem por lá a acompanha.

Internautas inundaram a caixa de comentários das publicações da psicóloga a apontar a falta de exemplo que a mesma está a demonstrar face à situação pandémica que o mundo atravessa. Para findar a polémica de que é alvo, Joana Amaral Dias recorreu à sua página de Facebook, esta segunda-feira, 8 de fevereiro, para lamentar a “bufaria que por aí anda” e garantir que as suas férias na Madeira foram realizadas “dentro das normas que vigoram” e que, por isso, nada fez de “ilegal”.

“Parece que houve para aí uma daquelas polémicas de bolso relativa às minhas férias com os meus filhos mais pequenos na Madeira”, começou por explicar a psicóloga. “Desde março de 2020 que tornei pública a minha posição sobre a gestão da COVID-19 – nomeadamente a minha discordância quanto ao confinamento – que mantenho. Ainda assim, desde então, mesmo discordando, tenho cumprido todas as leis e normas”, acrescentou, para depois demarcar-se “daquelas figuras públicas que passam o tempo a dizer ‘Fique em Casa’ e depois andam em festas e quejandos”, classificando esses comportamentos de “teatrinhos”.

“É permitido ir à Madeira. Na ilha, nada fiz que não estivesse dentro das normas que aí vigoram. Portanto, nem sou hipócrita nem fiz algo ilegal”, assegurou Joana Amaral Dias, para de seguida lamentar “a quantidade de bufaria que por aí anda”.

“Entre invejosos e chibos, entre ressabiados e delatores, está à vista mais uma das consequências de vivermos actualmente num Estado Policial – um tecido social cada vez mais esboroado (não, não vamos sair disto mais unidos); o sadismo, a vingança e o vexame com selo de garantia; a recompensa da pequena pulhice e velhacaria. O regime anti-constitucional que viola os mais elementares direitos e garantias dos cidadãos pare e é parido por gentalha desta roda que, como vampiros, se alimenta do medo e da desconfiança. Entretanto, os suposto anti-fascistas estão entretidos a chamar fascistas a quem luta pela liberdade”, afirmou.

 

Leia o texto de Joana Amaral Dias na íntegra:

 

Parece que houve para aí uma daquelas polémicas de bolso relativa às minhas férias com os meus filhos mais pequenos na…

Publicado por Joana Amaral Dias em Segunda-feira, 8 de fevereiro de 2021

 

 

Texto: Alexandre Oliveira Vaz; Fotos: reprodução redes sociais

PUB
Top