Clara de Sousa e o peso da responsabilidade da profissão : “É cada vez mais difícil”

Após ser distinguida como uma das mulheres mais influentes de Portugal, Clara de Sousa esteve à conversa com a TV 7 Dias e explicou de que forma lida com a responsabilidade.

01 Mai 2023 | 19:50
-A +A

Todos os anos a Executiva premeia as 25 Mulheres Mais Influentes em Portugal. A 13 de abril voltou a homenagear algumas das personalidades que se destacaram no passado ano 2022. Clara de Sousa foi distinguida como uma das mulheres mais influentes do nosso país e à conversa com a TV 7 Dias, a pivô da SIC garante que não podia estar mais agradecida.

“É algo muito positivo. Este prémio deixa-me muito feliz. Na minha área trabalhamos para as pessoas, para uma sociedade mais atenta e mais consciente dos problemas que a rodeiam e portanto eu não trabalho para os prémios mas obviamente quando os recebo fico muito feliz e consciente de que estarei a fazer bem, porque se não o estivesse a fazer bem não os recebia. É uma responsabilidade acrescida para continuar a trabalhar com o mesmo empenho todos os dias”, começou por afirmar.

E acrescentou: “é sempre bom ter esse reconhecimento. Ninguém pode dizer que não é bom receber um prémio nomeadamente este. A minha influência vem também da minha profissão, da minha exposição pública da televisão. É claro que a televisão ajuda a criar mas também ajuda a destruir se nós relaxarmos o nosso trabalho ou se começarmos a trabalhar pior. Portanto essa obrigação com uma profissão tão escrutinada como a minha, obviamente que eu tenho de estar sempre muito atenta e trabalhar no duro todos os dias”.

 

Clara de Sousa: “Não há medo”

 

No entanto, apesar de todo o esforço e dedicação, o rosto do jornal da estação de Paço de Arcos revela o peso da responsabilidade que sente no dia a dia. “Nunca é uma coisa fácil. A expetativa é sempre muito alta. A partir do momento em que nós crescemos e que as pessoas nos reconhecem a competência e a influencia, quando ganhamos de facto essa visibilidade e essa projeção, é cada vez mais difícil”.

No que diz respeito ao medo de falhar, Clara de Sousa assume como lida com isso. “Não há medo”, começou por garantir. “Aquilo que há é uma gestão das nossas emoções em que nos empenhamos ainda mais para não correr qualquer risco de falhar. Nunca abranda o ritmo de trabalho, nunca abranda a ansiedade do momento de responsabilidade que temos pela frente, mas sempre a crescer porque nós sabemos que há medida que as pessoas olham para nós como pessoas que não falham, então aí é que não podemos mesmo falhar. Nós darmos sempre o melhor e sermos referências nas nossas áreas é obviamente uma responsabilidade muito grande que exige um empenho também muito grande”.

 

Texto: Sofia Pinto (sofia.pinto@worldimpalanet.com); Fotos: redes sociais 
PUB