Cláudio Ramos faz confissão sobre concorrentes: “Gosto de um reality tenso”

Cláudio Ramos explica que um dos fatores para a escolha dos novos residentes foi o facto de terem assuntos por resolver e garante que esteve envolvido no processo de seleção.

21 Jan 2024 | 20:30
-A +A

Estreou a 7 de janeiro a nova edição do Big Brother – Desafio Final, da TVI, conduzida por Cláudio Ramos. Em conversa com a imprensa, o apresentador falou sobre a estreia, a escolha dos concorrentes e revela ainda de que forma é que gosta que um reality show evolua. “Eu acho que o Desafio Final promete eles resolverem alguns conflitos que têm entre eles. Eu gosto de um reality tenso, com momentos divertidos, mas também com alguma tensão, que acho que é o que vai acontecer com eles”, começa por dizer.

Segundo Cláudio Ramos, “eles foram escolhidos a dedo”, ou seja, de acordo com as questões que têm para resolver entre eles e que, na opinião do profissional, “se puderem resolvê-las à vista de todos nós eu fico muito contente e o público fica a ganhar”. Quanto à escolha dos concorrentes, o apresentador garante que teve intervenção. “Eu participei na escolha deles, acho que eles todos são bons. Acho que todos eles, no seu programa, nas coisas que fizeram, ficaram pautados por alguma intervenção, por algum protagonismo”, assume, referindo ainda que este grupo pode vir a sofrer alterações: “Existe a possibilidade, porque é o Desafio Final, de durante o programa entrar muito mais gente”.

“Não estava à espera”

Já no que diz respeito ao seu regresso a este tipo de formatos, Cláudio admite que não estava à espera de receber o convite, mas garante estar muito feliz por voltar a conduzir um reality show. “Não estava à espera. Já tinha o assunto dos realities arrumado, já tinha feito três. Ele está muito bem entregue à Cristina e, por tradição, quem agarra um reality, leva-o durante algum tempo. Não estava nada à espera, era uma gaveta já arrumada na minha cabeça”.

Apesar de ter uma vasta experiência em televisão, o apresentador reconhece que, antes de entrar em direto “estava até muito nervoso”. “Acho que talvez até estivesse mais nervoso que no Big Brother 2020 porque é outro peso, é outra responsabilidade, tenho público, no 2020 não tinha ninguém, estávamos em pandemia”.

Textos: Carla Ventura (carla.ventura@impala.pt)
Fotos: Zito Colaço e redes sociais
PUB