Coronavírus: mulher de português infetado diz que situação é «cada vez mais desesperante»

Um dioa depois de Adriano Maranhão ter sido diagnosticado com coronavírus, a mulher, Tina, acompanha desde Portugal que haja novidades sobre o caso. Casal tem 3 filhas menores e é natural da Nazaré.

23 Fev 2020 | 17:20
-A +A

Natural da Nazaré, Adriano Luís Maranhão, 41 anos, canalizador tripulante do Diamond Princess, navio ancorado em quarentena no Japão, é o primeiro português diagnosticado com coronavírus. As suspeitas, levantadas este sábado, além do alerta lançado pela mulher, Tina Maranhão, confirmaram-se este domingo, 23 de fevereiro, através de um comunicado feito pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros.

«Foi confirmado pelas autoridades de saúde japonesas que a pessoa em causa deu teste positivo. A família está informada, assim como o próprio». Na nota pode ainda ler-se que Portugal está a “«nsistir junto das autoridades locais» para que se proceda à transferência do doente «para o hospital de referência», no Japão.

É um pequeno alívio em quase 24 horas de incerteza, sofrimento e caos. Na noite de 22 de fevereiro, Adriano Maranhão descrevia a situação a bordo do paquete Diamond Princess como «caótica».

O Portal de Notícias Impala falou com Tina Maranhão, que contou como a família está a encarar a situação. A professora explica que a filha mais velha «está a tentar entender a situação» por que o pai está a passar. O casal tem três filhas menores.

Veja o testemunho completo aqui

 

«Não estou a ser bem tratado»

«A maior parte da tripulação não estava à espera. Depois de 14 dias de quarentena dos passageiros, vieram [os responsáveis pelo navio] e disseram que agora seria a vez da tripulação, depois de estarmos expostos tanto tempo a este vírus». Adriano sente-se «tranquilo», mas ainda «à espera» de ser retirado «para tratamento hospitalar».

Sábado, 22 de fevereiro, por volta das 14 horas [locais, 5 da manhã em Lisboa], o tripulante português estava «em quarentena numa cabina, fechado». Os outros portugueses que também integram a tripulação no Diamond Princess, «estão bem», mas ainda sem saberem «se os testes que lhes fizeram deram positivo ou negativo».

«Estão a aguardar» refere Adriano Maranhão. O primeiro português infetado pelo Covid-19 envia às autoridades portuguesas um pedido desesperado de ajuda. «Quero sair o mais rápido possível do navio e ir para um hospital para tentar entender o que tenho». Em desespero, confirma que não está a ser bem tratado. «Até agora, não estou a ser bem tratado. Estou fechado numa cabina vai fazer 24 horas e ainda não veio aqui ninguém [responsável pelo navio] trazer-me comida.»

Com o passar das horas e da inatividade dos responsáveis pelo navio Diamond Princess, a família de Adriano Maranhão está a entrar numa «situação cada vez mais desesperante».

Texto: Luís Martins; Fotos: reprodução redes sociais

 

Veja mais:
Com medo de Coronavírus? Não veja este documentário da Netflix!
China reporta surto de gripe das aves próximo do epicentro do novo coronavírus

PUB