“Cristina coMvida”: Tudo sobre o projeto secreto que a TVI tirou da gaveta após 6 anos

“Cristina coMvida” foi criado em 2014 por Cristina Ferreira e João Patrício e, cinco anos depois, inspirou “O Programa da Cristina”. A TVI vai agora recuperar um projeto que já tinha rejeitado.

20 Nov 2020 | 21:00
-A +A

Foi a maior surpresa da noite. Em 2021, a TVI vai finalmente retirar da gaveta “Cristina coMvida”, projeto que Cristina Ferreira apresentou à estação de Queluz de Baixo, em 2014, e que não avançou… até agora. E que formato é este? O mesmo que inspirou “O Programa da Cristina”, que a malveirense apresentou durante 18 meses nas manhãs da SIC até a comunicadora voltar à TVI.

Confuso? Um pouco. Comecemos pelo fim. Na noite desta quinta-feira, a Diretora de Entretenimento e Ficção do canal da Media Capital foi a anfitriã do evento em que foram apresentadas as principais apostas da programação da TVI para 2021. A emissão especial, designada “O Futuro”, encerrou com o Diretor-Geral, Nuno Santos, a interromper o canto do hino da estação para anunciar que estava na altura de tirar da gaveta um projeto há muito lá guardado.

Surgem, então, imagens ficcionadas de um homem a arrumar, em 2014, um dossier chamado “Cristina coMvida”. Há uma passagem temporal e, em 2021, uma mulher, presumivelmente Cristina Ferreira, retira da mesma gaveta o tal documento. Folheia-o e, logo numa das primeiras páginas, surge uma ilustração de uma porta. “Vamos entrar?”, pode ler-se.

O evento da TVI terminou naquele momento, mas depressa dúvidas se levantaram. Cristina Ferreira vai conduzir o programa que sugeriu à TVI e que veio a originar “O Programa da Cristina”? Cristina Ferreira vai repetir a fórmula usada durante um ano e meio nas manhãs da SIC? Cristina Ferreira vai voltar ao mesmo género de programa televisivo quando, em setembro passado, justificou o seu adeus à estação de Paço de Arcos porque já tinha chegado “uma altura em que já estava feito” o que tinha a fazer?

As questões são muitas, as respostas muito poucas. “Brevemente”, promete a TVI, saber-se-á o que aí vem, para que horário vem, com que periodicidade vem e em que moldes vem. Para já, ficam os consecutivos pontos de interrogação.

 

“A TVI achou era a altura de o programa ser implementado”

 

Recuemos agora até janeiro de 2019. Cristina Ferreira tinha acabado de estrear “O Programa da Cristina” e dava uma entrevista ao Público, na qual explicou o conceito do inovador matutino da SIC.

Aí, repetiu o que já tinha dito: a ideia do formato era dela e João Patrício, o realizador e coordenador de conteúdos do programa em questão, que, com o regresso de Cristina Ferreira a Queluz de Baixo, a acompanhou para ser seu braço-direito na Direção de Entretenimento e Ficção da TVI.

“Fizemo-lo em 2014. Pensámos que um programa de day time dentro de uma casa – porque nós entramos na casa das pessoas todos os dias – podia dar origem a um formato muito engraçado e fomos trabalhando na ideia. Ao ponto de o apresentarmos à TVI, que o guardou na gaveta”, afirmou.

Disse Cristina Ferreira que o canal “achou que não era a altura de ele ser implementado”, não especificando a pessoa que recusou o projeto que viria a ajudar a SIC, logo no mês de estreia, a roubar a liderança diária à TVI. De notar um facto: em março de 2014, o ano em que a malveirense sugeriu “Cristina coMvida” à TVI, Bruno Santos foi nomeado Diretor de Programas do canal.

“E eu percebo porque é que não o fizeram: eu fazia dupla com o Manel [Luís Goucha] e as coisas corriam tão bem, porque é que íamos mudar uma coisa que corria tão bem? Mas surgiu esta oportunidade de vir para aqui [para a SIC]”, contrapôs. Ou seja, foi essencial para Cristina Ferreira deixar a TVI e mudar-se para a SIC, no verão de 2018, a garantia de que em Paço de Arcos iria concretizar um projeto deixado na gaveta, na altura, há quatro anos.

 

Luísa, Jacinto e Idalete, as personagens de “Cristina coMvida”

 

Mas seria “O Programa da Cristina” mesmo o que Cristina Ferreira idealizou com João Patrício naquele documento? Não. Nas imagens reveladas, esta quinta-feira, pela TVI, é possível vislumbrar, de relance, um ou outro pormenor que deixam perceber que a ideia original da malveirense não foi concretizada.

Isto porque, numa das páginas do dossier, se pode ver a descrição de personagens que seriam presença assídua em “Cristina coMvida” – o que não aconteceu em “O Programa da Cristina”, à exceção de Cláudio Ramos, que, sendo ele próprio, assumia o papel de vizinho da apresentadora.

O projeto concebido por Cristina Ferreira e João Patrício tinha, pelo menos, três figuras idealizadas para estar ao lado da malveirense. A saber: Luísa, Jacinto e Idalete.

Da primeira, percebe-se que Luísa seria a empregada de Cristina Ferreira: “Natural da Moita, tem sangue quente e não deixa nada por dizer – o que por vezes cria alguns embaraços a Cristina.”

Jacinto, praticamente na casa dos 40, seria o jardineiro. “É o típico ‘faz tudo’. Simples, simpático e um pouco tímido, Jacinto está sempre pronto a ajudar os outros. Apesar de ser jardineiro de profissão e de não ter conseguido ir além da antiga 4.ª classe, Jacinto ajeita-se em muitas outras áreas: bricolage, eletricidade, canalizações, eletrónica, marcenaria, etc.”, pode ler-se.

Mas há mais detalhes sobre a personalidade de Jacinto que foram deixados a descoberto: “Para ele, não há impossível e jamais recusa um pedido da menina Tininha, que já conhece há alguns anos e por quem tem uma enorme estima e admiração. A sua timidez torna-o um pouco trapalhão, principalmente quando se cruza com as visitas VIP que frequentam a casa de Cristina. Quando vê uma figura pública, Jacinto começa a ruborizar, esbarra-se contra os móveis, deixa cair coisas ao chão e, por vezes, até gagueja.”

“Recentemente, inscreveu-se num curso de valorização pessoas para conseguir superar a timidez e tem usado Luísa como cobaia. Apaixonado pela empregada, decora poemas e textos românticos para lhe dedicar, embora sem grande sucesso. Uma das suas características mais divertidas é a de utilizar palavras caras, usando-as sempre fora de contexto”, deixa antever o documento.

Quanto à Dona Idalete, teria 55 anos e seria doméstica. “Idalete é a vizinha bisbilhoteira que está sempre à janela à espera de ver entrar gente famosa em casa de Cristina”, descrevia-se a mulher, que era “deslumbrada pelo glamour da televisão”.

Noutra página, surge uma ilustração de Cristina Ferreira a segurar num vestido pendurado no closet da sua casa (que também existia em “O Programa da Cristina). Mas há aqui um facto curioso: na imagem, a apresentadora surge de cabelo loiro curto. Ou seja, a acreditar que aquele seja o mesmo documento feito em 2014, Cristina Ferreira já aí pensava mudar radicalmente de visual, o que só veio a acontecer, precisamente, no momento em que se estreou nas manhãs da SIC. E com o mesmo corte!

 

“Só nos enganámos na morada, João Patrício”

 

No dia 16 de junho de 2019, já “O Programa da Cristina” tinha cumprido meio ano de emissões, Cristina Ferreira publicou no seu blogue um texto a que deu o nome de “Escrito”. E nele a apresentadora fala, precisamente, do projeto “Cristina coMvida” e da sua milionária transferência da TVI para a SIC.

 

 

Referindo-se ao ano anterior, em que “tudo era diferente”, a malveirense disse que, já naquela altura, “sabia que ia mudar”, “sem saber que ia para a SIC”. “Longe até de imaginar que isso ia acontecer. Mas eu sentia a mudança. Sempre fui assim, capaz de antecipar o que vai acontecer. Ou ver além do que já existe. Podia ter ficado tudo igual. E eu estaria aqui. Exatamente no mesmo sofá onde escrevo este texto. Mas não seria isto que escreveria. Porque as páginas que mudei no livro da minha vida alteraram tudo. Olhando agora para aquele tempo, percebo a força do querer. Foi porque eu quis que tudo aconteceu”, analisou, no Daily Cristina.

É então que surge a menção ao programa que tinha idealizado com João Patrício. “Talvez já tivesse escrito estas linhas no dia em que alinhei um programa de sonho, há quatro anos, que se chamava ‘Cristina coMvida’. Era ‘O Programa da Cristina’. Só nos enganámos na morada, João Patrício”, brincava, acrescentando: “O endereço estava errado, mas o ‘sonho’ estava destinado. A casa é como imaginámos. O primeiro convidado entrou ao telefone. O vizinho mudou de nome. Mas estava tudo lá. Guardado numa gaveta.”

“O destino é melhor do que sonhámos. Ou então tínhamos imaginado pouco. Coisa rara em nós. Hoje, aqui, neste sofá, está a loira daquela capa. Menos loira. Mais. Mais tudo. Foi difícil. É difícil. Mais pesado. Mais amado. Mais desgastante. Mais. Tudo mais”, acrescentava.

Pouco mais de um ano depois, Cristina Ferreira voltou a surpreender com o anúncio de que tinha rescindido unilateralmente com a SIC para voltar à “casa-mãe”, agora como Diretora de Entretenimento e Ficção da TVI e acionista da Media Capital.

Em 2021, findo “Dia de Cristina”, a apresentadora tem um novo desafio em mãos: fazer renascer um projeto contemplado há seis anos e que concretizou a meio gás na SIC. “Cristina coMvida” está registado como marca no Instituto Nacional da Propriedade Industrial desde 2014. Além de Cristina Ferreira, é titular da mesma a Coral Europa, da qual João Patrício fazia parte até se tornar membro da direção da TVI.

 

Texto: Dúlio Silva; Fotos: Daily Cristina e reprodução redes sociais

PUB
Top