Custódia Gallego sobre a morte do filho: «todos os dias é mais um sem ele»

Cinco meses depois de ter perdido o filho, Custódia Gallego fala sobre o momento que está a viver. A atriz foi uma das convidadas d’O Programa da Cristina.

07 Jan 2019 | 12:22
-A +A

Custódia Gallego perdeu o filho Baltazar, de 32 anos, em agosto de 2018. A viver um dos momentos mais difíceis, a atriz foi uma das convidadas do programa de Cristina Ferreira e falou sobre a dor que sente.

«Acho que qualquer ser humano que tem um objetivo na vida para além de viver, ou seja, de viver a tua vida da melhor maneira possível, isso já é a força diária. Com as dificuldades todas que farão parte da experiência da tua vida, é como se tivesse um tsunami na tua vida que não sabes bem o que é. É como se fosses envolvida por terra e para encontrares outra vez a tua vida tens de fazer algum esforço», começa por contar a atriz.

Leia mais: Custódia Gallego chora morte do filho!

 

Sobre a dor de ver um filho morrer, Custódia, que estudou medicina, explica: «Isto não tem nada a ver com a ciência, o que custa é o que não é científico. Não é pela perda, é pela frustração de não poder viver mais. Ele gostava de viver, ele era um ser humano positivo e com muita coisa para fazer».

«O tempo cura?», questiona a apresentadora. «O cura não gosto. Vai amenizando as coisas. Eventualmente a incapacidade de não sentires que a realidade é esta. Se calhar, todos os dias é mais um dia sem ele. Todos os dias tenho cada vez mais razões para ter saudades.»

«Agora sei o que é que é saudade»

Custódia Gallego confessou ainda que a palavra «saudade» tem agora um significado diferente. «Eu constatei que finalmente sei o que é que é saudade. Eu sempre gozei um bocadinho com o fado porque temos aquelas coisas desgraçadas. Agora sei o que é que é saudade. Tu sabes do que é que tens falta», explica.

Espreite: Custódia Gallego com medo da morte

 

Para amenizar a dor, a atriz tem-se refugiado no trabalho. «O trabalho foi muito bom. Foi bom ter começado a trabalhar logo a seguir. A ficção é muito mais leve do que a minha realidade. Eu estava a fazer o contrário da técnica, eu concentrava-me na ficção daquela ação daquela personagem e não na minha realidade.»

Esta é a primeira vez que a atriz fala publicamente sobre a morte de Baltazar. «Tive medo de não respeitar como até agora respeito, a identidade dos meus mais próximos», termina.

Texto: Redação WIN – Conteúdos Digitais; Fotos: Impala e reprodução Instagram

 

PUB
Top