Daniel Dias de Casamento Marcado revela que relação com Francielle “não vingou”

Daniel Dias foi convidado no programa Goucha. Ao longo da conversa, onde falou da sua ex-noiva, o ex-concorrente de Casamento Marcado admitiu que já está separado.

28 Jul 2023 | 21:19
-A +A

Daniel Dias foi convidado no programa Goucha, esta sexta-feira, dia 28 de julho. Ao longo da conversa com Manuel Luís Goucha, o ex-concorrente de Casamento Marcado falou sobre as suas origens, família e acabou por falar também sobre a sua participação no formato apresentado por Maria Cerqueira Gomes. Daniel falou sobre o relacionamento doa pais, tendo ambos como exemplo na sua vida: “É bonito ver um casal assim”, disse. Descendente de uma “família unida”, Daniel Dias revelou que ficou marcado pela sua infância: “Não tive uma infância protegida demais”, afirmou.

Leia ainda: Casamento Marcado: O grande final e toda a realidade

Recorde a avó de Maria Cerqueira Gomes a falar sobre o vestido da apresentadora

Daniel foi o oitavo protagonista de Casamento Marcado e escolheu casar com Francielle, apesar do final feliz, o casamento passou por alguns momentos complicados, sendo um deles a chegada à cerimónia: foi o ex-noivo que levou a noiva ao altar.  “Confesso que, no momento, tive que gerir as emoções”, disse. Apesar dos altos e baixos, Daniel confessou que se tornou próximo da família da noiva e é agora um dos grande amigos de Francielle. O ex-concorrente relevou que foi ele quem tratou de alguns pormenores do casamento, tais como o bolo, o fato, as alianças e as flores. Ao longo da conversa acabou por admitir que o casamento não vingou.

Daniel Dias fala sobre enfermagem e paixão pela representação

O ex-concorrente do programa revelou ainda que sempre gostou de teatro, tendo como público a sua família: “Fazia improvisos, tentava entreter”. “Cresci ao longo de 14 anos a ver novelas. Só que como era algo que era difícil pensei que não valia a pena”, acrescentou, dizendo que pensou mesmo em tirar um curso de representação. Daniel Dias acabou por tirar o curso de enfermagem, na Guarda: “Eu lá em casa cuidava de quem ficava doente”. O jovem disse ainda que foi “difícil” a mudança para a cidade: “Foi difícil, chorei muito”. O enfermeiro falou ainda sobre a sua profissão: “No início era muito complicado, mas tem que haver um certo nível profissional e isso no início foi difícil. Foi difícil gerir o sofrimento e a dor”. “Acabei por me refugiar no ginásio e no teatro”, disse.

Texto: Sofia Mendes
Fotos: Redes sociais

 

PUB