De Freddy Mercury a vilão: RAMI MALEK é o mau da fita no próximo JAMES BOND!

O ator que deu vida ao músico Freddy Mercury no filme Bohemian Rhapsody é o novo vilão da saga 007. Bond 25 estreia daqui a um ano e poderá ser o último protagonizado por Daniel Craig.

26 Abr 2019 | 16:48
-A +A

Do palco de Wembley para as perseguições na Jamaica: Bond 25, vigésimo quinto filme da saga criada por Ian Fleming, marca a estreia de Rami Malek no papel de vilão no grande ecrã. O ator que deu vida a Freddy Marcury em Bohemian Rhapsody será o grande inimigo de Daniel Craig, naquele que é o quinto filme do britânico no papel do espião mais famoso da Sétima Arte.

Bond 25 estreia-se em abril de 2020 e uma parte da acção passa-se precisamente na Jamaica, onde viveu Ian Fleming, o autor da saga. Foi precisamente nesta ilha caribenha, mais concretamente na villa Goldeneye onde morou Ian Fleming, que decorreu a apresentação do filme, que chegará ao grande ecrã daqui a um ano.

Além de Daniel Craig, Ralph Fiennes, Naomie Harris, Rory Kinnear, Léa Seydoux, Ben Whishaw, Jeffrey Wright regressam à trama. Aos repetentes juntam-se vários novatos: Ana de Armas, Dali Benssalah, David Dencik, Lashana Lynch, Billy Magnussen e, claro, Rami Malek, vencedor do Óscar de Melhor Ator com Bohemian Rhapsody.

 

O que vai acontecer em Bond 25?

 

No novo filme, Bond deixou o serviço ativo e está a viver na Jamaica. Mas a paz termina rapidamente, quando o seu velho amigo Felix Leiter, da CIA, aparece com um pedido de ajuda. A missão de resgatar um cientista acaba por ser muito mais traiçoeira do que o esperado, levando Bond a perseguir um misterioso vilão armado com uma nova tecnologia perigosa.

 

View this post on Instagram

 

A word about #BOND25 from Rami Malek (@ramimalek)

A post shared by James Bond 007 (@007) on

O 25º filme da saga James Bond, que poderá ser o último de Daniel Craig, vai passar por Londres, Itália, Jamaica e Noruega. Na apresentação, o ator britânico revelou o segredo do sucesso desta saga cinematográfica. «A consistência e o facto de os filmes serem eventos. Para mim, era um acontecimento muito excitante. Tentámos manter essa tradição de criar filmes que se diferenciem dos que existem», explica o protagonista da saga.

Veja mais: 
Vencedor do Óscar cai do palco e recebe ajuda médica
Morreu Roger Moore, eterno 007

 

 

Texto: redação WIN – Conteúdos Digitais | Fotos: divulgação e Reuters

PUB
Top