Decisão “radical”: Marta Cardoso “desligou-se completamente” e não vê o “Big Brother”

Marta Cardoso confessou a Maria Botelho Moniz e Cláudio Ramos que não está a acompanhar o “Big Brother – Duplo Impacto”. “Ou estou, ou não estou. Sou um bocadinho radical nestas coisas”, explicou-se.

23 Mar 2021 | 18:50
-A +A

Marta Cardoso virou a página no que aos reality shows diz respeito. Vinte anos depois de se ter dado a conhecer ao público enquanto concorrente do primeiro “Big Brother”, a comunicadora encerrou um capítulo da sua vida profissional e despediu-se do papel de comentadora do formato na anterior edição do programa, subintitulada de “A Revolução”. Agora, não vê nada relacionado com o “Duplo Impacto”.

Em entrevista a Maria Botelho Moniz e Cláudio Ramos, na emissão desta terça-feira do matutino da TVI “Dois às 10”, Marta Cardoso confessou que se “desliga completamente” quando não está num determinado projeto. “Ou estou, ou não estou. Sou um bocadinho radical nestas coisas. Quando estou, estou com tudo, com o foco a 250%. Quando não estou, o meu foco está voltado para outra coisa qualquer”, afirmou, particularizando, depois, no caso do “Big Brother”: “Portanto, quando saí do ‘Big Brother’, deixei de ver o ‘Big Brother’. Não sei de nada. Zero. Não faço ideia.”

 

Marta Cardoso sobre despedida dos reality shows: “Achei que já chegava”

 

Apresentadora, repórter e editora – papéis que foi assumindo, ao longo dos últimos anos, em vários reality shows -, a comunicadora justificou ainda a sua decisão de abandonar a equipa do formato. “Quando eu soube que o ‘Big Brother’ ia voltar 20 anos depois, para mim, foi ‘Wow! Adorava fazer isto!’. E tive a oportunidade de fazer. Fazia-me todo o sentido estar e acompanhar [o programa]. Mas só estava a contar fazer uma edição, não sabia o que vinha aí. Depois, quando veio a segunda [edição], com o regresso da Teresa [Guilherme à condução do ‘Big Brother’], pediram-me para fazer e eu achei que, ainda assim, fazia sentido. A partir daí, já tinha decidido que estava bom de reality shows“, resumiu.

“Achei que não era muito lógico continuar a fazer o formato ‘ad eternum’. Porque houve três [edições consecutivas], mais podia haver quatro, cinco ou dez – já sabemos como é que isto dos reality shows é. E eu já tinha decidido que, ao fim de 20 anos, ia fazer uma pausa nos reality shows. Tem sido sempre aquilo que eu tenho feito – e fiz com muito gosto e com toda a alegria do mundo -, mas achei que já chegava”, prosseguiu.

 

“Já não me faz sentido fazer coisas com as quais não me identifico”

 

Marta Cardoso não mostrou preocupação com a possibilidade de, com esta decisão, não voltar à televisão. “Não é uma porta fechada nem é uma porta aberta. Se acontecer, aconteceu. Se não acontecer, estou supertranquila e grata por tudo aquilo que já vivi e as oportunidades que tive”, afirmou a ex-comentadora do “Big Brother”, que, “há sete ou oito anos”, paralelamente com o trabalho no pequeno ecrã, se tem dedicado a outra paixão: “comprar, reconstruir, remodelar e revender” casas.

“Não tenho o futuro fechado. A vida constrói-se à medida que vamos andando. Gosto muito de comunicar, não vou dizer que não. Mas, ao fim de 20 anos a andar na máquina da televisão, (…) já não me faz sentido fazer coisas com as quais não me identifico. Até porque eu não seria uma mais-valia para o projeto se não tiver que ver comigo. Portanto, estou obviamente aberta a voltar à televisão ou a outro meio de comunicação qualquer, num projeto em que achem que sou uma mais-valia e que eu também ache que faça sentido fazer. E se essa oportunidade nunca mais surgir? Não tenho problema algum. A televisão é uma passagem”, defendeu Marta Cardoso.

 

Texto: Dúlio Silva; Fotos: Arquivo Impala e reprodução redes sociais

PUB
Top