“É muito assustador”: Atriz da TVI relata luta contra depressão e fala sobre Pedro Lima

Anna Eremin, que participou recentemente na novela da TVI “Quer o Destino”, conta como descobriu que tinha depressão. Antes do diagnóstico e face aos sintomas, a atriz acreditou ter cancro.

21 Fev 2021 | 22:00
-A +A

Anna Eremin enfrentou uma depressão. Contudo, antes do diagnóstico, a atriz pensou que tinha cancro, como a própria conta, em entrevista à revista NOVA GENTE, na qual revela a razão pela qual acreditou que tinha uma doença oncológica.

“Sou humana e tonta… e ‘googlei’ [pesquisar no Google] os sintomas que eu conseguia ver. Estava a engordar, tinha muita prisão de ventre e imensas borbulhas. Achei claríssimo que tinha problemas de tiroide e (porque não?) cancro”, relata a atriz, que participou em novelas da TVI como “Quer o Destino”, “Onde Está Elisa?” e “Jogo Duplo”.

Anna Eremin já tinha revelado publicamente que, numa primeira fase da depressão, negou a ajuda de quem estava mais próximo. Só mais tarde, mudou de ideias e aceitou que precisava de tratamento.

“Já não tinha nada a perder. Se já me sentia morta, então, o que teria a perder em experimentar outra coisa? Tive a sorte de ter pessoas ao meu lado com experiência nestes problemas e que me conhecem bem o suficiente para me conseguir convencer. Tive sorte. Acho que foi mesmo isso”, afirma, sublinhando ainda o facto de muitas pessoas sofrerem desta doença sem saber que a têm: “Não tem propriamente sintomas claros, como uma gripe ou uma pneumonia. E quanto mais se alastra, mais difícil é aceitar que pode ser um problema. Se a própria doença tira a vontade de viver, como se volta a querer fazê-lo? É muito assustador e complexo”.

 

Anna Eremin recorda morte de Pedro Lima

 

No verão passado, dias depois de Pedro Lima ter morrido, a atriz escreveu um logo texto nas redes sociais, no qual falou pela primeira vez da depressão que teve. “Não pensei muito, na altura. A morte mexe comigo de uma forma estranha. Dá-me a noção do quão efémero tudo isto é. Deixa-me com muito mais urgência de viver (e eu já tenho muita)”, explica.

“Estive o fim de semana todo com um aperto na garganta, enquanto lia as notícias que iam saindo, e o texto surgiu sozinho… Acho que tenho uma presunção muito infantil de que posso salvar o Mundo… Senti necessidade de partilhar o que é a minha verdade, na esperança de ajudar alguém”, conclui Anna Eremin.

Leia a entrevista completa a Anna Eremin na NOVA GENTE em banca.

 

Texto: Patrícia Correia Branco; Fotos: reprodução redes sociais 

PUB
Top