“É o meu rabo”: Lourenço Ortigão abre o jogo sobre nudez e cenas de sexo em série da SIC

Lourenço Ortigão surge completamente nu em “O Clube”, série da SIC para a OPTO na qual ainda protagoniza cenas de sexo com Ana Marta Ferreira e Maria Dominguez. “Foi fácil fazer”, disse o ator.

29 Out 2021 | 21:33
-A +A

Lourenço Ortigão protagoniza cenas de sexo escaldante com Ana Marta Ferreira e Maria Dominguez na série “O Clube”, emitida pela SIC na sua plataforma de streaming, a OPTO. O ator revelou à TV 7 Dias como foi fazer essas cenas, assim como aparecer nu na história.

“Acho que o resultado final ficou excelente. Para mim, não é nada de especial fazer aquelas cenas. Foi fácil fazer. A Ana Marta Ferreira é nossa amiga [de Lourenço Ortigão e Kelly Bailey]. Ainda há dias, estivemos juntos. Não há constrangimentos. Mal seria se tivéssemos constrangimentos nesta fase da nossa vida. Acho que já ultrapassámos um bocadinho essa fase. Falámos das cenas antes de as fazer. A Kelly passou os textos comigo, ajudou-me na personagem, fez tudo comigo”, disse, mostrando naturalidade no trabalho.

Na mesma série, Lourenço Ortigão aparece nu numa cena, algo que também não o incomodou. “É o meu rabo. Sou muito descontraído em relação a essas coisas. Obviamente que, se for uma nudez gratuita, faço resistência. Agora, se houver uma consistência dramatúrgica por detrás, que sentido faria deixar-me desconfortável? Quando aceitamos ir para uma personagem, sabemos para o que vamos. Faz-me mais confusão saber que não posso treinar há seis meses [devido ao acidente de mota que sofreu], fazer uma série em que tenho o corpo mais exposto e saber que não posso correr ainda hoje do que isso. Também faço isto com naturalidade. Estou habituado a estar mais bombadão e não estou”, sublinhou o ator, à margem de um evento no qual cozinhou para Maria Cerqueira Gomes, Mafalda Castro, Mafalda Sampaio e Madalena Abecasis.

 

Lourenço Ortigão fala sobre o impacto da série

 

Lourenço Ortigão admitiu ainda que não teve muito feedback sobre a série e explicou porquê. “As séries que fazemos para a OPTO têm um impacto mais gradual. Não é como as novelas. As pessoas vão aderindo. É uma plataforma que abrange um menor número de pessoas por não estar em sinal aberto. As pessoas reviram a primeira temporada – não sei se vai haver mais -, mas sempre que há uma nova é uma nova publicidade que se dá”, revelou, elogiando o formato.

“Fazer séries é mais cuidado. Ainda assim, foi uma coisa rápida. Há sempre imprevistos por causa da COVID-19, atrasos… Mas foi muito bom…”, terminou a estrela da SIC.

 

Texto: Ana Lúcia Sousa; Fotos: Arquivo Impala, Divulgação SIC e reprodução redes sociais

PUB