“Eu era perseguida”: Paula Neves esteve oito meses fechada em casa com esgotamento

Paula Neves foi a protagonista da novela “Anjo Selvagem”. Vinte anos depois, a eterna “trinca-espinhas” revelou que sofreu um esgotamento após as gravações e que esteve fechada em casa oito meses.

03 Set 2021 | 16:24
-A +A

Paula Neves e José Carlos Pereira foram os convidados de honra para a celebração dos 20 anos da esteia da novela “Anjo Selvagem” na emissão desta sexta-feira, 3 de setembro, do programa “Dois às 10”. Durante a conversa sobre o êxito televisivo da TVI, que esteve no ar um ano e meio, a atriz revelou a Cláudio Ramos e Maria Botelho Moniz que, depois de acabar as gravações, teve um esgotamento e fechou-se em casa durante oito meses.

“Durante o tempo das gravações, eu praticamente não saía de casa. Fazia as gravações e era ‘casa, trabalho, trabalho, casa’. Quando aquilo acabou – o ritmo era tão intenso e acabou de um dia para o outro -, estive oito meses a recuperar. Tive um esgotamento logo a seguir”, começou por confessar a atriz que, atualmente, dá vida a Celinha na novela “Bem Me Quer”, também da TVI.

“Praticamente não conseguia sair de casa, não conseguia fazer nada. Estive a ‘anhar’ em casa, com gatos à minha volta, a tentar recuperar. As poucas vezes em que me atrevia a pôr um pé na rua, para ir ao supermercado ou para fazer qualquer coisa, era uma experiência horrível. Eu era perseguida, as pessoas fazem coisas desagradáveis. Foi aí que tive esse impacto e não estava com capacidade para lidar com ele. Então, estive oito meses em casa. Depois, quando voltei a mim, já estava saudável, bem e enérgica. Já tinha passado”, acrescentou Paula Neves, garantindo que “demorou tanto tempo” a recuperar porque nunca “procurou tratamento.”

“Achei que (o esgotamento) tinha sido também um afastamento e lidar com a ‘morte’ daquela personagem, mas mais tarde percebi que não. Nunca consegui matá-la. Ela continuou comigo”, confessou ainda a atriz.

 

Paula Neves em lágrimas ao recordar Isabel de Castro

 

Durante a emissão do matutino da TVI, Paula Neves e José Carlos Pereira foram surpreendidos por José Eduardo Moniz, que era, à data da transmissão de “Anjo selvagem”, Diretor-Geral da estação de Queluz de Baixo e que lhes deixou uma mensagem muito especial. O atual consultor da Media Capital, grupo do qual o canal faz parte, recordou ainda a atriz Isabel de Castro, que integrou o elenco da novela e morreu dois anos depois de as gravações acabarem.

Isabel de Castro vestia a pele de Angélica Salgado, a avó de Mariana, a personagem de Paula Neves. As duas criaram uma ligação muito especial e Paula Neves não conteve as lágrimas ao recordá-la nesta sexta-feira. “A Isabel está comigo todos os dias. Ela entrou na minha vida, mesmo. A nossa união, era uma união de almas. Adorávamo-nos. Nós ficámos mesmo avó e neta”, afirmou, revelando ainda que tem sempre consigo uma fotografia da sua ‘avó da ficção’.

 

Texto: Mafalda Mourão; Fotos: reprodução TVI e redes sociais

PUB