Ex de Cláudia Jacques dispara sobre Júlia Pinheiro: «Eu sei que ela é sua amiga»

Olivier da Silva entrou em direto na SIC, via chamada, para contradizer a ex-mulher e explicar que não se encontra «foragido». Júlia Pinheiro tentou contrapor e o empresário partiu para o ataque.

21 Abr 2020 | 19:10
-A +A

Primeiro em videochamada. Depois, face a dificuldades técnicas, por telemóvel. Assim participou Olivier da Silva na emissão desta terça-feira do programa da SIC Júlia, a fim de repor aquela que considera ser a verdade face às declarações que a ex-mulher, Cláudia Jacques, proferiu naquele mesmo formato a 25 de março.

«Lamento muito esse episódio. […] Eu estive casado com a Cláudia Jacques e, no início, foi um romance muito bonito. Não sei a que inferno é que a Cláudia se referiu, só sei que tivemos um casamento numa ilha, fizemos viagens repetidas nos melhores hotéis….», enumerou o empresário, até ser interrompido por Júlia Pinheiro.

Olivier da Silva partiu, então, para o ataque. «Eu sei que ela é sua amiga, eu sei que ela é sua amiga», sugeriu. A apresentadora do vespertino da SIC não gostou e repetiu: «Não se trata disso, não se trata disso.»

O empresário, condenado, em dezembro do ano passado, a oito anos de prisão pelos crimes de burla qualificada e branqueamento e capitais – a sentença ainda não transitou em julgado -, continuou: «Se me deixar acabar, eu acabo. A Cláudia diz que viveu um inferno. Ora bem, o inferno foi partilhado. Quando ela diz que teve de pensar para organizar a saída de sua casa, não é verdade. eu é que saí de casa.»

Júlia Pinheiro apelou à objetividade nos argumentos de Olivier da Silva, que se disse «farto que, em Portugal, em media tenham a mania de falar daquilo que não são e que não percebem»«Eu fui indiciado por uns crimes, acusado e condenado em dezembro, em Portugal, pelo Tribunal de Portimão em oito anos por um crime de burla e branqueamento de capital. Isso está corretíssimo. Agora, dizer que estou foragido da justiça, que estou a ser procurado, isso é surreal. Eu nunca andei foragido da justiça na minha vida», garantiu.

«O que ninguém fala é que esse processo já foi julgado em França e eu já fui condenado em França meses antes. Exatamente o mesmo processo. […] Em França, como eu fundamentei o meu processo com prova […], o juiz considerou que não havia burla e requalificou o crime em abuso de confiança», continuou o empresário.

Júlia Pinheiro colocou em cima da mesa outras questões, mas Olivier da Silva não gostou. «O seu conhecimento sobre o meu processo é muito relativo», disparou o ex-marido da relações-públicas. «Não, não é. Posso garantir-lhe que não», contrapôs a apresentadora.

 

O que disse Cláudia Jacques

 

Numa entrevista previamente gravada e transmitida na emissão de 25 de março do programa Júlia, Cláudia Jacques falou, entre outros assuntos, dos problemas do ex-marido com a Justiça. Antes, abordou o início da relações: «O Olivier era encantador. Não sei se é uma característica de pessoas que têm o estilo de vida que ele tem, mas provavelmente será.»

Quatro meses depois do início do namoro, a 6 de outubro de 2015, os dois casaram-se, nas Maurícias.  «Acho que há uma fase da nossa vida em que não temos de esperar para dar o passo», justificou a socialite.

O pior dos cenários estava para chegar. «Quando aquelas notícias todas caíram como um tsunami na minha vida, tivemos muitas conversas. No início, ainda lhe dei o beneficio da duvida. Eu confrontei-o e ele explicou. O advogado dele veio a casa explicar-se também», lembrou, recordando que Olivier da Silva chegou mesmo a estar em prisão domiciliária, durante duas semanas, na sua casa.

«O medo foi tomando conta de mim e a necessidade de me ver livre dele foi crescendo. […] Acho que corri muitos riscos durante aquele tempo todo sem saber», afirmou, em conversa com Júlia Pinheiro, antes de recordar o episódio em que diz ter sido vítima do próprio marido: «Dois anos depois, ele roubou-me o carro. […] Nunca pensei que tivesse sido ele. Só à noite, quando confrontada com as imagens do prédio da garagem, é que percebi que tinha sido ele. Aí eu percebi que ele vai ser burlão o resto da vida, porque ele não sabe viver de outra maneira.»

«Acho que ele me enganou por amor. O que eu não perdoei, nunca, foi o facto de ele saber que tinha esses problemas e ter me acompanhado para todo o lado», rematou a relações-públicas, que assinou os papéis de divórcio em outubro de 2016.

 

VEJA TAMBÉM:
Já não está solteira! Cláudia Jacques apresenta novo amor
Morreu o pai de Cláudia Jacques

 

Texto: Dúlio Silva; Fotografias: Arquivo Impala e reprodução SIC

 

ATENÇÃO!

Vivemos tempos de exceção mas, mesmo nestes dias em que se impõe o recolhimento e o distanciamento social, nós queremos estar consigo. Na impossibilidade de comprar a sua revista favorita nos locais habituais, pode recebê-la no conforto de sua casa, em formato digital, no seu telemóvel, tablet ou computador.

Eis os passos a seguir:
  1. aceda a www.lojadasrevistas.pt
  2. escolha a sua revista
  3. clique em COMPRAR ou ASSINAR
  4. clique no ícone do carrinho de compras e depois em FINALIZAR COMPRA
  5. introduza os seus dados e escolha o método de pagamento
  6. pode pagar através de transferência bancária ou através de MB Way!

E está finalizado o processo! Continue connosco. Nós continuamos consigo.

PUB
Top