Exclusivo TV 7 Dias: Maria Leal «É UM NOJO DE PESSOA. Uma ladra»

A TV 7 Dias revelou em exclusivo toda a história de Maria Leal, desde as burlas ao ainda marido, Francisco d’Eça Leal, às mentiras, filhos que escondeu e relações falhadas.

16 Out 2018 | 20:35
-A +A

Esta terça-feira, 16 de outubro, o programa da SIC Vidas Suspensas mostra ao país, em formato televisivo, o drama de Francisco d’Eça Leal, ainda marido de Maria Leal. Uma história revelada em exclusivo na edição 1509 da TV 7 Dias, em fevereiro de 2016.

Na altura, Maria Leal, uma ilustre desconhecida, ainda não cantava. Tornava-se célebre ao dar-se a conhecer ao país como a namorada de Tiago Ginga, ex-concorrente da Casa dos Segredos e, na altura, concorrente do reality show da TVI A Quinta – O Desafio.

Recorde toda a história nunca antes contada de Maria Leal.

«Ela é um nojo de pessoa»

 

Para além de Maria mentir na idade, revelamos-lhe que a mulher pela qual Tiago deixou Bernardina e o filho esconde quatro maridos, três divórcios, cinco filhos e três netos. Uma mentira que se junta à acusação de ter tirado dinheiro.

Tiago Ginga e Bernardina Brito entraram em A Quinta – O Desafio de costas voltadas, mas bastaram poucos dias para se reaproximarem, mesmo contra a vontade das famílias de ambos, em especial a de Tiago Ginga. Para além da mãe, Florbela Carloto, que foi, desde o início, contra a entrada do filho no rurality show, havia outra pessoa a preocupar o concorrente: a namorada, Maria.

É que, quando entrou em A Quinta – O Desafio, o jovem de Almada deixou cá fora uma mulher com quem já partilhava casa em Elvas. A assistir às traições do namorado com Bernardina pela televisão, Maria d’Eça Leal não demorou a expor-se, aceitando o convite de Teresa Guilherme para ir ao palheiro de A Quinta conversar com Tiago Ginga.

Não contente, dias mais tarde, a mulher traída foi ao A Tarde É Sua, de Fátima Lopes. E foi aí que Maria d’Eça Leal começou a mostrar que tinha muito a esconder, tendo sido neste dia que, Florbela Carloto, a mãe de Ginga, descobriu a verdadeira idade da “nora”.

Quando se apresentou a Tiago Ginga, Maria disse ter 30 anos e ser uma mulher solteira. Mas mentiu, tanto na idade como no nome. O verdadeiro nome da empresária é Elisabete Maria Pereira Garcia Rodrigues. Nasceu na freguesia de Pena, no concelho de Lisboa, não na década de 80, como faz questão de garantir, mas sim a 14 de março de 1969, estando assim prestes a completar 47 anos de idade [nr: em 2016]. 22 anos separam Elisabete Maria de Tiago Ginga – que tem 25 anos –, e não cinco, como quis fazer parecer.

Veja mais: Maria Leal reage a acusações de roubo

 

Para além da idade, Maria, ou melhor, Elisabete Maria, enganou o atual concorrente de A Quinta – O Desafio de outras maneiras. Quando conheceu Tiago, a empresária assumiu ter tido alguns relacionamentos importantes, mas as partes verdadeiramente importantes ficaram por contar.

Primeiro casamento em 1991

 

E que partes… A TV7 Dias descobriu que Maria acumula quatro casamentos, três divórcios, cinco filhos e já tem três netos… Foi a 14 de abril de 1991 que Elisabete Maria casou pela primeira vez, pela Igreja, com Daniel Paulo. Elisabete Maria, que tinha naquela altura 22 anos, estava já grávida da sua primeira filha, Maria (como a mãe), que viria a nascer em setembro do mesmo ano. A relação com Daniel Paulo, essa, nunca foi boa.

«Eles não se davam bem, não se conseguiam relacionar normalmente», conta uma fonte próxima da família, que chegou a ser amiga de Elisabete Maria durante os tempos em que ela foi casada com Daniel.

«Ela nunca bateu bem da cabeça. Teve sempre a mania que era dondoca, que tinha imenso dinheiro. À força toda queria ser rica», adianta à TV 7 Dias a mesma fonte, que para já não quer dar a cara.

Embora os problemas conjugais fossem uma realidade, a verdade é que Daniel Paulo tentou fazer com que a relação chegasse a bom porto. «Ele gostava dela», justifica a mesma fonte. Cerca de sete anos depois, nasceu a segunda filha da atual empresária, Filipa, hoje com 18 anos.

«Não mudou nada, ela continuava a vadiar e a fazer a vida que sempre fez», prossegue quem testemunhou as traições da empresária. «Eu sabia que ela traía o Daniel, aliás, toda a gente sabia. Só ele é que não queria assumir. Um dia apanhei-a com outro na rua», recorda a mesma fonte.

Elisabete Maria vivia com Daniel Paulo em casa dos pais do jovem, que testemunharam algumas desavenças entre o casal. «Ela não prestava mesmo e, para além dos problemas com o Daniel, também não se dava bem com a sogra. Por outro lado, não saía de casa dela. Ela é capaz de jurar uma coisa e logo a seguir desmenti-la», conta a mesma fonte, que prossegue a desvendar as mentiras de Maria.

«Uma vez disse no trabalho que vivia numa casa muito grande, com uma empregada que lhe tomava conta das filhas. Ora, a casa era a dos sogros, e a empregada era a mãe do Daniel.» A verdade é que, diz ainda, «nem para cuidar do próprio quarto a Elisabete era boa. (…) A casa dela estava limpa porque a sogra limpava tudo, mas o quarto dela… Sabe o que é um biberão de bebé aqui e um penso higiénico sujo ao lado? Cuecas sujas debaixo da cama, roupa por todo o lado… Ela é porca! Não tenho outras palavras. Lembro-me que ela ia toda aperaltada para a rua, grávida de uma das meninas, e quando levantava a camisa tinha a camisola interior cheia de nódoas de gordura. Não consigo perceber como é que algum homem consegue deitar-se com ela…»

Daniel Paulo acabou por atingir um estado de exaustão e colocou um ponto final na relação de 14 anos. A dissolução do casamento por divórcio aconteceu a 25 de fevereiro de 2005, e embora a custódia das duas filhas de Elisabete Maria lhe tenha sido entregue pelo Tribunal de Família e Menores de Lisboa, a verdade é que esta nunca chegou a tomar conta das miúdas, fazendo apenas visitas esporádicas. «O dinheiro falou mais alto e mais facilmente ela se safa sem filhos do que com», comenta a mesma fonte.

Tirou dinheiro às filhas

 

Hoje, a filha mais velha de Elisabete Maria tem 25 anos. A irmã, Filipa, tem 18. «As miúdas estão revoltadas, mas, principalmente, sentem muita vergonha da mãe, da vida que ela leva», comenta a ex-amiga de Maria, que mantém uma relação estreita com as duas jovens. «A sorte delas é que não vivem em Lisboa e ninguém as associa à mãe”, remata. Para além de ser mãe, aos 46 anos Elisabete Maria é também avó de três crianças.

«A filha mais velha vive com o marido e tem a sua própria casa. Tem um menino e uma menina. A mais nova [Filipa] vive ainda com o pai, o primeiro marido da Elisabete, e tem um menino», revela a mesma fonte. A ex-namorada de Tiago Ginga conhece os netos, no entanto, «não faz questão de acompanhar o crescimento deles».

A revolta que sente leva a ex-amiga de Maria a desabafar e a fazer novas revelações. «Não entendo como é que ela se desliga das pessoas e faz pior… para além de não ajudar as filhas, ainda as prejudica…», diz antes de partilhar com a TV 7 Dias mensagens trocadas com a segunda filha da empresária, com quem mantém contacto, e onde se lê: «Ela [Elisabete Maria] roubou as próprias filhas. Não tem vergonha na cara. Tirou-me o dinheiro todo da conta, e da minha irmã. Aquela conta que me criaram quando eu era pequena e que estava no nome do meu pai e dela, ela foi lá e tirou-me o dinheiro todo.» E mostra outra, onde Filipa não esconde a mágoa: «Até tenho vergonha de ser filha dela.»

Dois casamentos em seis anos

Mas Elisabete Maria não se ficou pelo primeiro casamento. Não foi preciso muito tempo para que a jovem recuperasse do divórcio de Daniel Paulo. Pouco mais de um ano depois, a 21 de abril de 2006, a empresária voltou a casar, desta vez civilmente, com Ricardo Manuel, de quem adotou o último nome. Desta união nasceu a terceira filha de Elisabete Maria, com quem a mesma fonte assegura que ainda conviveu:

«A Elisabete chegou a vir a minha casa ver as filhas com essa menina.» O casamento com Ricardo Manuel acabou por durar apenas dois anos. A 21 de fevereiro de 2008 foi decretado o divórcio. Hoje, a terceira filha de Elisabete Maria tem cerca de dez anos. No entanto, também ela foi desprezada pela mãe.

«Ela está entregue aos pais da Elisabete, mora com eles. Foram eles que a educaram», conta. Oito meses foi o tempo que a atual empresária precisou para voltar a casar. A 3 de outubro de 2008, Elisabete Maria casou pela terceira vez, com José Manuel, pelo civil, em Queluz. Uma união dramática, da qual resultaram mais dois filhos, desta vez meninos.

«Este casamento é o que tem a história mais complicada. Ela teve dois rapazes, que hoje terão entre cinco e oito anos, que tentou dar à adoção”, conta a mesma fonte próxima de Elisabete Maria. A atual empresária foi, no entanto, impedida de abandonar os próprios filhos às mãos de desconhecidos. «A avó paterna dos meninos não a deixou. Foi para tribunal e ficou com a guarda deles. É ela que toma conta dos meninos e nem sei se eles sabem quem é a verdadeira mãe.»

Rouba marido inválido

 

A consciência pouco pesou a Elisabete Maria, que seguiu a sua vida e, em 2011, escreveu mais uma página, quando conheceu aquele que viria a ser o seu quarto e atual marido, Francisco d’Eça Leal. Na altura, Elisabete Maria já tinha 41 anos. Francisco tinha apenas 21.

«Conheci a Maria em 2011. Estava muito fragilizado nessa altura», conta-nos o jovem, que tem hoje 26 anos [nr: em 2016] e que aos 20 sofreu um grave acidente que lhe custou vários sonhos. «Caí, bati com a coluna e fiz uma lesão medular. Fui operado inúmeras vezes, estive internado e fiz reabilitação durante meses e meses. Saí do Centro de Reabilitação de Alcoitão de cadeira de rodas, passei para o andarilho e hoje consigo andar de canadianas», explica.

O acidente deixou Francisco inválido, incapaz de se mexer com destreza e de trabalhar. No entanto, o jovem não tinha motivos para se preocupar. O pai, Paulo Guilherme d’Eça Leal, um arquiteto de sucesso, falecido em 2010, deixou-lhe, entre bens imóveis e dinheiro, uma herança choruda, que lhe permitiria viver confortavelmente “o resto da vida”, sem preocupações.

«Dava para o dia-a-dia, para pagar as minhas contas e os meus medicamentostos, os meu encargos médicos», conta. Quando saiu finalmente do hospital de reabilitação, Francisco conheceu Elisabete Maria, Bé, como ainda lhe chama.

«Vivemos dois anos como namorados e casámos em 2013 com comunhão de bens adquiridos. (…) Confiava nela a 100% e como eu não podia sair de casa, por causa da minha incapacidade, deixei que ela tratasse das minhas contas e dos imóveis que o meu pai deixou em meu nome», conta Francisco.

Por isso, o choque foi imenso quando, dois anos depois, o jovem descobriu da pior maneira que era traído e que tinha sido enganado ela mulher em quem depositava toda a confiança:

«Descobri a verdade em dezembro de 2015, há três meses apenas. Foi através da Internet que percebi que a Elisabete estava com outra pessoa, o Tiago Ginga. Cruzei-me com uma fotografia deles. Depois, começaram a surgir as revistas, que diziam que ela era namorada dele. E eu em casa, o marido dela, a ver…»

 

A traição levou Francisco a duvidar da forma como Elisabete Maria geriu, ao longo dos anos, o dinheiro da herança. «Fui ver as minhas contas e fiquei chocado. Percebi que não tinha dinheiro nenhum. Os meus apartamentos foram vendidos ao desbarato, tal como as obras de arte que eu tinha naquelas casas. Despachou tudo e só deixou por vender o apartamento onde eu vivo. O dinheiro, levou-o.»

Ainda é difícil para Francisco lidar com a verdade. “É tudo muito recente. Foram cinco anos e eu gostava mesmo dela. Ia sempre perguntando como estavam as nossas contas e ela dizia que estava tudo bem, para não me preocupar. Eu confiava”, conta. Olhando para trás, o jovem assume que foi ingénuo na maneira como se deixou enganar por Elisabete Maria, que ao todo lhe terá desviado cerca de um milhão de euros.

Marido não sabia da existência dos filhos de Maria Leal

Para além de ter sido traído e roubado, Francisco d’Eça Leal foi enganado por Elisabete Maria que, quando conheceu o jovem, mentiu sobre o seu passado. «Não sabia que ela tinha 46 anos, no início ela disse-me que tinha 32», começa por assumir Francisco. E se a verdadeira idade de Maria era já um choque para o jovem, a situação tornou-se mais difícil quando, há uma semana, descobriu, pela nossa equipa de reportagem, que a sua mulher tinha tido, no passado, cinco filhos. «Não sabia de nada disso, nem sequer sabia que ela tinha sido casada. Não tinha a mínima noção de nada.»

A conversar com a TV 7 Dias, Francisco não conseguiu conter as lágrimas. «É muito difícil lidar com tudo isto. Desde dezembro que, a cada passo, surgem informações novas sobre a mulher com quem estou casado e por quem me apaixonei. Não sei o que esperar mais, isto é além de surreal», desabafa o jovem, não conseguindo conter o espanto e a emoção quando percebeu que tem praticamente a idade da filha mais velha de Elisabete Maria: «Mais uma informação bombástica. Como é que é possível? É muito difícil aceitar tudo isto.»

Francisco d’Eça Leal reconhece que foi uma presa fácil para Elisabete Maria, que faz questão de usar o apelido do marido. «Estava muito fragilizado quando a conheci, depois de ter estado meses no hospital. Uma situação violentíssima. Ela ludibriou-me. Claro que, ao longo do casamento, ia sempre desconfiando, mas ela manipulava-me», lamenta. Hoje, Francisco junta ‘dois mais dois’, relembrando episódios que aconteceram durante a relação com Elisabete Maria:

«Houve um dia que vi o bilhete de identidade dela e lhe perguntei se ela tinha nascido em 1969. Ela fez um escândalo por eu estar a duvidar e disse que se tinham enganado a fazer o bilhete de identidade. Eu acreditei.»

O jovem, de 26 anos, conta ainda: «Nós estávamos juntos, só que ela passava dias sem aparecer em casa. Falávamos por telefone e ela dizia que ficava em Elvas porque estava muito cansada do trabalho da loja. Só agora percebo que por lá ela tinha outra vida.»

Francisco d’Eça Leal assume que está a divorciar-se de Elisabete Maria e que está a tentar reconstruir a sua vida longe da mulher que o enganou: “Espero mesmo que ela não volte a aparecer em casa.» As dificuldades económicas são, neste momento, a maior pedra no sapato de Francisco, que vive com uma pensão de invalidez reduzida:

«Recebo cerca de €330 por mês. Vivo com dificuldades porque tenho os meus problemas de saúde, preciso de comprar os meus medicamentos e tenho as contas normais das pessoas normais. É difícil gerir as coisas com o pouco dinheiro que recebo.» Embora tenha assumido publicamente o relacionamento com Tiago Ginga, Elisabete Maria continua a usar o apelido que pertence à família do marido que traiu e roubou, Francisco d’Eça Leal. Uma situação que, para além de não agradar ao jovem, deixa a restante família descontente.

João d’Eça Leal, irmão de Francisco, não esconde:

«Ela é um nojo de pessoa. Uma ladra! Como é que não vai presa? Roubou o meu irmão, deixou- o na miséria e ainda usa o nome da minha família? O que me revolta é isso mesmo: ela continuar a usar o meu nome, o nome do meu pai.» João não esconde a vontade de fazer justiça pelas próprias mãos: «Se a visse à frente, não sei… O meu irmão tinha tudo para ter uma vida boa e ela arruinou-o. Há tanta gente boa neste mundo que vai presa por coisas de nada, e ela destrói a vida ao Francisco, deixa-o na miséria e nada lhe acontece.»

 

Tiago enganado

Quatro casamentos, três divórcios, cinco filhos e três netos depois, Elisabete Maria conheceu Tiago Ginga, apresentando-se como Maria d’Eça Leal. Fechado dentro de A Quinta – O Desafio, o jovem está longe de saber a verdade sobre a mulher com quem partilhou a casa e a vida. Para além de ter enganado o concorrente, a empresária, dona de duas lojas de roupa, uma em Elvas, outra na Parede, ludibriou também os familiares de Tiago Ginga, especialmente a mãe, Florbela Carloto, que lamenta ter acolhido Maria na sua casa. Há uma semana, Florbela disse:

«Não sabia que a Maria tinha 40 e tal anos… Ela disse-nos que tinha 30 anos. O meu filho não sabe a verdade. Foi enganado! Ele não faz mesmo ideia», garantiu a mãe de Tiago Ginga. «Uma pessoa que eu recebi em minha casa… preciso de saber a verdade. Nós éramos amigas. Já não posso mesmo confiar em ninguém», lamentou Florbela, visivelmente abalada.

Desmente acusações

Confrontada pela TV 7 Dias, Elisabete Maria assegura que as acusações de que está a ser alvo são mentira. «Eu não vou falar sobre isto. As pessoas podem dizer tudo o que quiserem, porque o processo já está a decorrer», afirma. A verdade é que são já várias as pessoas que acusam Elisabete Maria de mentir.

Quando questionada sobre contra quem é o processo judicial a que terá dado início, a empresária é vaga: «Já pus um processo, e mais do que isto não vou dizer. já pus um advogado a tratar das coisas.» E termina de forma irónica: «Por mim, quanto mais pessoas falarem de mim, melhor. Mais pessoas serão processadas, mais dinheiro eu ganharei», afirma.

(texto originalmente publicado na TV 7 Dias em fevereiro de 2016)

 

PUB
Top