“Filha da mãe!”: José Castelo Branco envia mensagem António Costa. Primo fica em silêncio

José Castelo Branco enviou mensagem a António Costa depois da “vitória estrondosa” nas eleições legislativas. Contudo, quando contou esta história, o socialista ainda não lhe tinha respondido.

03 Fev 2022 | 19:33
-A +A

José Castelo Branco, primo em segundo grau de António Costa, abordou a “vitória estrondosa” do Partido Socialista (PS) nas eleições legislativas do passado domingo na entrevista concedida a Manuel Luís Goucha. Na segunda-feira, no vespertino da TVI, o marchand d’art revelou ter enviado uma mensagem ao primeiro-ministro, lamentando, contudo, não ter recebido resposta até aquela altura.

“Fiquei tão feliz! Eu mandei mensagem para o babush [termo que se usa para designar crianças – a família paterna de António Costa tem raízes em Goa, na Índia], [mas] ainda não me respondeu… Filho da mãe! Daqui a bocado, digo: ‘Babush, se não me respondes, nunca mais te falo na vida'”, brincou José Castelo Branco, levando o anfitrião do programa “Goucha” às gargalhadas.

Lembrando o apresentador que “é primo em segundo grau” do líder socialista, já que as avós de ambos eram “irmãs”, o marido da antiga joalheira Betty Grafstein deixou bem claro: “O António Costa não vem da sarjeta!”. “Eu não disse nada!”, atirou logo Manuel Luís Goucha.

Antes, José Castelo Branco falara de André Ventura, referindo-se ao líder do Chega! como “a outra que ficou em terceiro lugar” no mesmo ato eleitoral. “Ai! Credo!”, disparou o marchand d’art, surpreendido com o facto e o partido se ter tornado na terceira maior força política em Portugal.

“O teu amigo…”, ironizou, então, o apresentador das tardes da TVI, aludindo à polémica que José Castelo Branco e André Ventura protagonizaram há alguns meses e que ganhou, inclusivamente, um novo episódio quando o líder do Chega! foi entrevistado naquele mesmo programa. 

“Falei de ti aqui”, recordou Manuel Luís Goucha. “Eu sei! Eu ouvi e partilhei! Defendeste-me com unhas e dentes. Que horror! Como é que os portugueses se enganaram?!”, questionou o marchand d’art. Por sua vez, o apresentador foi mais ponderado: “Deixa estar… É a democracia. (…) É o jogo da democracia. Daqui a quatro anos, logo se vê. Mas temos de estar muito atentos”. “Muito atentos, muito atentos!”, rematou o convidado.

 

Texto: Dúlio Silva; Fotos: Arquivo Impala e reprodução redes sociais

PUB