Greve de fome: Novo manifestante sente-se mal e é assistido pelo INEM (ÚLTIMA HORA)

Menos de 24 horas depois de Ljubomir Stanisic se ter sentido mal, um outro empresário foi assistido pelo INEM nesta quinta-feira. Os manifestantes estão em greve de fome há sete dias.

03 Dez 2020 | 14:03
-A +A

Um dos nove empresários que estão a fazer greve de fome há sete dias, no acesso à escadaria da Assembleia da República, em Lisboa, sentiu-se mal ao início da tarde desta quinta-feira. Segundo a CMTV, o manifestante em questão está com “a tensão muito baixa”.

O empresário, cuja identidade não foi revelada, já está a ser assistido pelo INEM e vai ser transportado para o hospital.

O mesmo aconteceu, esta quinta-feira, com Ljubomir Stanisic. Mas o chef não desistiu e, cerca das 23 horas, regressou ao local para continuar a greve de fome ao lado de oito outros empresários. Segundo a TV 7 Dias apurou, o jugoslavo, de 42 anos, “está estável”. Ljubomir Stanisic chegou ao acesso à escadaria da Assembleia da República na companhia da mulher, Mónica Franco.

No final da tarde desta quarta-feira, Ljubomir Stanisic foi assistido pelo INEM após “uma quebra nos níveis de glicemia”. “Ele estava desidratado, com os olhos vermelhos e palpitações no peito”, relatou uma fonte presente no local à TV 7 Dias.

O protesto foi iniciado por alguns rostos do movimento “Sobreviver a Pão e Água” depois de, também na sexta-feira, terem tido uma reunião na Presidência da República da qual “não resultou nada”

Ljubomir Stanisic, José Gouveia e João Sotto Mayor, entre outros, foram ouvidos por assessores do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e não pelo próprio chefe de Estado, como esperavam. “O Presidente não apareceu. Os assessores disseram-lhes que iam passar-lhe a mensagem”, disseram-nos, na altura.

Na origem do movimento está a crise instalada nos setores da restauração, hotelaria, comércio e cultura por causa da pandemia da COVID-19. Reclamam não só pela falta de apoio do Governo a estas áreas como pelas medidas de restrição aplicadas, que põem em causa a sobrevivência dos negócios.

Já nesta quinta-feira, segundo a CMTV, “o assessor do presidente da Assembleia da República recebeu a petição com mais de 70 mil assinaturas de pessoas que querem apoiar esta causa”.

 

Texto: Carla Ventura e Dúlio Silva; Fotos: D.R., reprodução CMTV e Nuno Moreira

PUB