Guerra na Ucrânia: Jornalistas portugueses vivem terror em Kiev. “Vai rebentar, car*lh*”

Dois jornalistas da CMTV foram enviados especiais para fazer a reportagem em Kiev, na Ucrânia. Os comunicadores viveram autênticos momentos de terror.

25 Fev 2022 | 14:40
-A +A

A CMTV presenciou o terror vivido na guerra na Ucrânia, depois do presidente russo Vladmir Putin ter anunciado uma operação militar para defender os separatistas no leste do país. Dois jornalistas do canal – Francisco Penim e André Germano – foram os enviados especiais para fazer a reportagem em Kiev e têm estado em direto da capital ucraniana.

Os dois rostos informativos, que estiveram na linha da frente, assistiram a uma alta coluna de fumo num edifício militar e à passagem de dois jatos. Desde a madrugada de quinta-feira, dia 24 de fevereiro, que há bombardeamentos em várias cidades do país da Europa do Leste.

A equipa de reportagem destacada para fazer a reportagem na Guerra na Ucrânia circulava numa estrada perto cidade de Kiev, quando encontraram uma coluna de fumo vinda de um edifício militar, que estava a arder a poucos metros onde se encontravam. Mas não foi só. Estes também presenciaram a passagem de dois jatos perto do local. Tudo aconteceu por volta das 14h09.

O relato dos jornalistas refletiu o pânico sentido. “Vai rebentar, eles estão a fugir, car*lh*. Sai! Acelera!”, afirmou o repórter de imagem, que estava ao lado de Francisco Penim.

“Há bombardeamentos, passaram agora dois caças. A CMTV está na linha de ataque, Kiev está a ser bombardeada. Estamos no meio do e trânsito e passaram dois jatos a velocidades supersónicas”, disse ainda o jornalista.

 

Francisco Penim sobre Guerra na Ucrânia: “Foi um momento muito difícil”

 

Francisco Penim presenciou o perigo e pavor provocado pela invasão russa na capital da Ucrânia. “Foi um momento muito difícil. Nunca na vida pensei que presenciasse isto. Dois jatos muito perto do solo, não consegui perceber se eram russos ou ucranianos. Estou a acelerar para tentar sair daqui o mais depressa possível”, confessou.

Veja aqui: 

 

Texto: Carolina Sousa; Fotos: Redes Sociais 

PUB