Herman José LAMENTA o que NÃO FEZ por Zé do Pipo!

Zé do Pipo está desaparecido desde do dia 5 de novembro. Meses depois, Herman José recorda o amigo e pede desculpa pelo que não fez.

14 Jan 2019 | 16:20
-A +A

Nuno Batista, mais conhecido pelos portugueses como Zé do Pipo, desapareceu no dia 5 de novembro de 2018. O seu paradeiro ainda é um mistério e deixou familiares, amigos, conhecidos e fãs de rastos com a notícia do desaparecimento.

Dois meses depois do sucedido, Herman José  não esquece o amigo. «O Zé do Pipo era mais do que só um boneco. Era um tipo musical, profissional e afável, de seu nome Nuno Batista. Este verão, foi assistir a um espectáculo meu em Azeitão e dar-me um abraço. Adivinhei-lhe uma tristeza estranha, longe de imaginar que era vítima de uma doença tão traiçoeira quanto cruel: a depressão», começou por revelar o humorista.

Leia ainda: Mulher de Zé do Pipo ESCLARECE pormenores do DESAPARECIMENTO!

 

Ao percorrer o feed das redes sociais, o comediante deparou-se com desafio que havia sido lançado pelo cantor. «Hoje tropecei neste desafio que me havia lançado no YouTube. Achei que era boa altura para o lembrar», completou Herman José, deixando um abraço de condolências à família.

Na mensagem, o humorista pede ainda desculpas por nunca ter respondido ao desafio proposto por Zé do Pipo.

Pais de Zé do Pipo quebram silêncio

Nada confirma a tese de um suicídio, mas os pais, Rosa e Carlos dizem a Manuel Luís Goucha que já não esperam encontrar o filho com vida.

Em Peniche, os pais de Zé do Pipo falaram com Manuel Luís Goucha, numa entrevista emotiva emitida esta quinta-feira, 10 de janeiro, no Você na TV. Inconsoláveis e em lágrimas, os progenitores do artista confessam que o procuraram desde a primeira noite de desaparecimento.

Espreite: Mulher de Zé do Pipo para os filhos: «o pai agora é uma estrelinha»

 

«As autoridades deram um princípio, mas terminaram as buscas. Acabaram por dizer que tinha de acabar e que não podiam fazer mais nada. Quando nós perguntamos se sabem mais alguma coisa eles perguntam se nós sabemos ‘se foi ali?’», começa por contar Carlos.

O «ali» é a ravina em Peniche, onde o carro de Nuno Batista, de 40 anos, foi encontrado com o telemóvel, os documentos e o casaco lá dentro.

Texto: Márcia Alves/ Fotos: Reprodução Instagram

PUB
Top