5 Para a Meia-Noite: Inês Lopes Gonçalves sucessora de Filomena? Apresentadora responde

Filomena Cautela despediu-se esta quinta-feira do 5 Para a Meia-Noite. A seu lado teve, ao longo de quase quatro anos, Inês Lopes Gonçalves. Será a senhora que se segue? Saiba o que diz a própria.

26 Jun 2020 | 17:50
-A +A

Terminada a era Filomena Cautela no 5 Para a Meia-Noite e com a certeza que o formato regressa depois do Verão, começam agora as apostas sobre quem sucederá à apresentadora na condução do talk show da RTP.

Mena diz adeus mas fica a dúvida em relação à continuidade de Inês Lopes Gonçalves, coapresentadora do formato. Questionada sobre a continuidade no programa, Inês responde de forma pragmática. «Neste momento não sabemos de nada. Quisemos chegar ao final, pensar nisto que estava a acontecer… essas perguntas agora têm de ser feitas a um senhor chamado José Fragoso».

A apresentadora diz ainda que permanecer no talk show «vai depender de muita coisa». «É também um momento para parar, para refletir porque nada vai nem pode ser igual depois de um 5 com uma pessoa tão marcante como é a Filomena Cautela. Não sei mesmo responder».

«Isto é um programa que nos sai do pelo»

A TV 7 Dias sabe que a RTP só divulgará o nome do sucessor de Filomena Cautela no final do Verão. Será que Inês Lopes Gonçalves se vê nas apostas para a sucessão? «Vi o Bruno Nogueira, Bumba na Fofinha… Neste momento, Bruno Nogueira lidera a corrida mas… não creio que vá acontecer (risos)». Mais a sério, Inês garante que não se debruçou sobre o tema. «Não penso nisso porque não foi essa a realidade que vivemos. Queremos divertir-nos e celebrar com a Mena, que estava muito emocionada no final do programa», disse, em entrevista exclusiva à TV 7 Dias, no final do último ‘5’ desta temporada.

A parceira de apresentação do talk show das quintas-feiras do primeiro canal considera que, agora, será um período de reflexão e, sobretudo, de descanso. Mas também de alguma nostalgia. «Não acho que seja propriamente um período de luto porque, vamos ser honestos: são todas as semanas no ar! Isto é um programa que nos sai do pelo. Eu estaria a mentir se não dissesse que não nos sabe bem… imagine que este não era o último programa da Filomena Cautela. Ia-nos saber muito bem as férias, estar um bocadinho em pausa. Não digo que seja um luto porque aconteceram coisas tão boas que agora acho que nos vamos sentar e começar a lembrar aquelas coisas todas. Quase como quando acabamos uma relação, sabíamos que ela tinha de acabar e depois pensamos ‘epá, mas aquilo era tão bom’», afirma.

Apesar da emoção, Inês Lopes Gonçalves afirma não ter ficado surpreendida com a decisão de Cautela. «A Filomena já ia dizendo, de vez em quando, ‘se calhar, se calhar’. Mas, desta vez, eu comecei a olhar para ela e, conhecendo-a muito bem, percebi que, provavelmente, era a sério. Entendo-a perfeitamente. Não poderia nunca dizer-lhe ‘fica’ ou ‘sai’. Não posso fazer isso. É uma decisão pessoal. Consigo perceber que, às vezes, precisamos de uma pausa, de um silêncio para perceber para onde é que vamos», reflecte.

«Sinto que vivi uma era muito boa do 5 Para a Meia-Noite»

A presença de Inês Lopes Gonçalves na estação pública de televisão tem vindo a crescer nos últimos tempos. Vinda da rádio pública, estreou-se na apresentação no magazine da RTP Memória Traz Prá Frente, da RTP Memória. Depois, veio o 5 Para a Meia-Noite, a coapresentação do Festival da Canção em 2018, 2019 e 2020.

Ainda a quente após o fim do 5, Inês não poupa elogios a Mena. «Neste momento, sinto-me muito emocionada. Para a Filomena, é o culminar de muitos mais anos, ainda que com interrupções. Para mim, são quase quatro anos. Sendo que eu sinto que vivi uma era muito boa do 5, não desmerecendo todos os outros apresentadores e todas as pessoas que passaram pela história do programa. Porque isso era suposto acontecer, foi um percurso que se fez. Teve as suas dores de crescimento. Às vezes é fácil e pode ser quase preguiçoso dizermos que a última é que foi. Mas os tempos também são completamente diferentes. Mas acho mesmo que esta última vida do 5 deu um salto de relevância, de maturidade e isso sem perder a essência do programa, que é a macacada que nós aqui fazemos (risos)», diz.

E quem ficou por trazer ao sofá do 5? «Fizemos vários apelos mas obviamente que a vida do Presidente [da República] não há-de ser fácil neste momento. Deve ter muitos convites. Sem falar de Marcelo, que é o mais óbvio, adoraria ter tido Jorge Jesus sentado neste sofá. Já para não falar de sonhos planetários, tipo o Cristiano Ronaldo. Mas se apareceu num direto do Bruno Nogueira, porque não aparecer na Venda do Pinheiro?», atira.

Texto: Raquel Costa | Fotos: RTP e Arquivo Impala

 

Veja mais:
Filomena no adeus ao 5: «Fez de mim a mais feliz e a mais infeliz do Mundo»
Inês Lopes Gonçalves: «Já está na hora de o presidente Marcelo ir tirar selfies ao ‘5’»

PUB
Top