Isaura revela que tem cancro da mama: «Há de ficar tudo bem»

No Dia Mundial da Luta Contra o Cancro, a cantora e compositora Isaura revelou que luta contra a doença oncológica. «Felizmente é possível tratar e há de ficar tudo bem», acredita.

04 Fev 2020 | 22:24
-A +A

A cantora e compositora Isaura, de 30 anos, anunciou que foi diagnosticada com um cancro da mama. A notícia foi tornada pública esta terça-feira, 4 de fevereiro, em que se assinala o Dia Mundial da Luta Contra o Cancro.

«Felizmente», conta a própria, «é possível tratar e há de ficar tudo bem!», escreveu a autora do tema O Jardim, interpretado por Cláudia Pascoal e escolhido para representar Portugal no Festival Eurovisão da Canção 2018. «Estou pronta para dar cabo dele», afiança.

Enumerando as várias razões que a levaram a tornar pública a luta contra o cancro da mama, Isaura sublinha que espera, com esta mensagem, «poder ajudar alguém que precise».

«Há qualquer coisa que muda dentro de nós no segundo em que somos confrontados com um cenário destes. Acho que percebemos melhor a palavra amizade e ficamos mais abertos ao mundo», pode ler-se.

 

Leia a mensagem na íntegra:

 

«No Dia Mundial do Cancro venho para vos dizer que fui diagnosticada com cancro da mama. Felizmente é possível tratar e há-de ficar tudo bem! Quis escrever este post por três razões, vou tentar explicar-me o mais brevemente possível.

1) Porque é possível que nos próximos meses não seja tão expedita e desenvencilhada como de habitual – há muitas coisas a fazer agora – cuidar de mim teve, obrigatoriamente, que levar a taça para casa e chegar ao topo da lista. Se estiver em falha com alguém em matérias de trabalho aproveito para pedir desculpa e prometer que nada está esquecido; eu continuo aqui, pronta para fazer coisas, é só um ritmo novo!

2) Porque quando fui diagnosticada as primeiras pessoas com quem quis falar foram pessoas que tinham vivido isto muito recentemente e que eu sentia ter acompanhado. Como elas foram partilhando o que se estava a passar nas suas redes sociais também eu fui sentido cada vitória e a palavra cancro foi encolhendo e ocupando menos espaço. Partilharmo-nos vulneráveis é difícil mas é tão importante. Há demasiadas burocracias e coisas a decidir num curto espaço de tempo enquanto se tenta assimilar tudo o que alguém desbobinou à nossa frente; graças a elas senti-me mais amparada e soube o que fazer com mais certezas. O que me leva à razão número três.

3) Também eu espero poder ajudar alguém que precise. Há qualquer coisa que muda dentro de nós no segundo em que somos confrontados com um cenário destes; acho que percebemos melhor a palavra amizade e ficamos mais abertos ao mundo. No Dia Mundial do Cancro venho para vos lembrar que o diagnóstico atempado do cancro da mama é mais eficaz a cada dia que passa e nós só temos de fazer a nossa parte; não se esqueçam e não tenham medo de fazer a palpação: porque não vão encontrar nada!, e se encontrarem é para tratar o mais rapidamente possível! Quanto ao meu: estou pronta para dar cabo dele.»

 

Texto: Dúlio Silva

PUB
Top