Jornalista da TVI condenado por ofensa à integridade física do ex-namorado

André Carvalho Ramos foi condenado por ofensa à integridade física do ex-namorado, Emanuel Monteiro, também ele jornalista da TVI. O arguido era acusado de violência doméstica, o que não foi provado.

17 Nov 2020 | 21:00
-A +A

André Carvalho Ramos foi condenado a uma pena de multa de 400 dias, convertida em 2800 euros, pela prática de três crimes de ofensa à integridade física simples de Emanuel Monteiro, ex-namorado e também ele jornalista da TVI.

O Ministério Público pedia a condenação de André Carvalho Ramos por violência doméstica, o que não ficou demonstrado em tribunal, mas a juíza entendeu proceder a uma alteração da qualificação do crime e deu como provada a prática de ofensa à integridade física simples em três dos mais de 50 factos presentes na acusação.

A leitura da sentença decorreu na manhã desta segunda-feira, 16 de novembro, no Campus de Justiça, em Lisboa. A TV 7 Dias sabe que dela resulta ainda que André Carvalho Ramos terá de indemnizar Emanuel Monteiro em 1500 euros (na próxima edição da nossa revista, mostramos e contamos tudo ao detalhe).

 

Denúncia feita nas redes sociais

 

André Carvalho Ramos foi acusado pelo Ministério Público de violência doméstica, em dezembro do ano passado, na sequência de uma publicação feita pelo ex-namorado nas redes sociais.

A mensagem foi partilhada por Emanuel Monteiro um ano e meio antes e nela a suposta vítima relatava o drama que dizia ter vivido com André Carvalho Ramos, “durante mais de um ano, de forma consecutiva e, a cada episódio, mais grave”.

Começou com um estalo e acabou com um espancamento, dentro da minha própria casa. Foi no dia do meu aniversário. Estava sem telemóvel, trancado, impedido de fugir ou de pedir ajuda. Estive à espera, durante todos os minutos daquelas três horas, que o agressor abrisse a gaveta da cozinha e de lá tirasse uma faca para acabar com o pouco que ainda restava de mim. Fiquei gelado de medo, morto de espírito enquanto era agredido sem dó, nem piedade. Não consegui, sequer, defender-me, escreveu Emanuel Monteiro.

Acrescentou também que o “agressor” estava “muitas vezes, muitas horas, a três metros” dele – os dois trabalham, ainda hoje, na mesma estação televisiva – e que nunca o denunciou “por receio, por vergonha, mas sobretudo por compaixão e para não estragar a vida a uma pessoa”. O nome do alegado criminoso nunca foi mencionado, mas a associação a André Carvalho Ramos era óbvia e clara para os mais próximos.

Do despacho de acusação do Ministério Público, a que a TV 7 Dias teve acesso, constavam episódios que teriam acontecido antes e depois do fim do namoro de dois anos entre os jornalistas da TVI. Só três conseguiram ficar provados.

“Pelas 6 horas, quando o ofendido entrou na sua residência, o arguido encontrava-se no interior da mesma. De imediato o arguido aproximou-se do ofendido, fechou a porta da residência, tirou o telemóvel pessoal do ofendido das mãos deste e, de seguida, desferiu-lhe várias pancadas com as mãos fechadas e abertas e pontapés, atingindo o ofendido por todo o corpo. O arguido empurrou ainda, por várias [vezes], o ofendido contra as paredes da sala e, de seguida, no quarto, continuou a desferir-lhe pancadas com as mãos fechadas e abertas e pontapés, durante cerca de duas horas”, pode ler-se, a título de exemplo, sobre o episódio referido por Emanuel Monteiro na mensagem publicada nas redes sociais.

 

Na próxima edição da TV 7 Dias, que esta semana chega às bancas na quinta-feira, veja as fotografias captadas em exclusivo pela nossa revista no Campus da Justiça e leia as reações dos advogados à leitura sentença.

 

Texto: Dúlio Silva; Fotografias: D.R.

PUB
Top