Jornalista inglês diz que Paula não é uma das mulheres que deu hambúrgueres a CR7

Jornalista que entrevistou Ronaldo garante que Paula Leça não é uma das mulheres que trabalhava na cadeia de fast food onde o craque português ia pedir comida. Paula mantém-se firme na sua história.

22 Set 2019 | 12:14
-A +A

Três dias após Cristiano Ronaldo ter expressado, em entrevista a Piers Morgan, o desejo de encontrar as mulheres que, há cerca de 20 anos, lhe davam hambúrgueres no quiosque da McDonald’s em Alvalade, Lisboa, surge a primeira polémica em torno deste caso.

«Ela não é uma das três mulheres sobre as quais Ronaldo estava a falar. A busca continua», escreveu Piers Morgan na rede social ao partilhar a notícia que dava conta de que Paula Leça já tinha sido encontrada.

O jornalista britânico garante que Paula Leça, descoberta e entrevistada pela Rádio Renascença, não faz parte do lote de três mulheres que davam comida ao craque da Juventus. A Nova Gente voltou a falar com a mulher de 37 anos, que afiança: «Tenho família, não os expunha se não fosse verdade. Só posso dizer que tive lá um part time de cinco horas».

Paula Leça foi a primeira mulher a garantir publicamente que tinha dado comida a Cristiano no final de década de 90. Apesar de ainda não haver uma reação de Piers Morgan nem do jogador, há uma segunda mulher a identificar-se como funcionária que dava hambúrgueres ao craque.

Paula Leça garante que não está a mentir

Piers Morgan deixou no ar os argumentos que o levaram a escrever este tweet. Não se sabe se o jornalista inglês confirmou diretamente com Cristiano Ronaldo ou se conseguiu apurar a informação através de outra fonte.

Já Paula Leça garante que não está a mentir. A Nova Gente entrou em contacto com a antiga funcionária da cadeia de fast food que não quis reagir à notícia, mas garantiu a veracidade de toda a informação que tem contado à Imprensa nacional.

Entrevistada pela Rádio Renascença, pela SIC e pelo nosso site, a mulher de 37 anos sempre confirmou a mesma informação: trabalhou em part time no antigo quiosque do McDonald’s perto do Estádio de Alvalade, tinha cerca de 16 anos na altura e lembra-se do menino que era prodígio do Sporting Clube de Portugal.

«Eles apareciam ali três ou quatro. Ele ficava sempre um bocadinho mais para trás, penso que fosse mais tímido. Davam o ar da sua graça e nós já sabíamos que o que queriam eram os hambúrgueres. Eles falavam sempre com uma ou outra gerente e diziam: ‘Se sobrar um hambúrguer…’. Às vezes sobravam hambúrgueres ou batatas. Mas nunca os vimos comer ali. Eles levavam ou iam comendo pelo caminho até ao dormitório», contou-nos na passada quinta-feira, dia 19 de setembro.

McDonald’s em busca das mulheres

A Nova Gente falou também com a equipa responsável pela comunicação da cadeia de restaurantes em Portugal que garante que a informação está a ser procurada e os contactos estão a ser feitos. Porém, até agora, ninguém conseguiu alcançar com certeza que serão as três mulheres que Cristiano Ronaldo quer tanto encontrar.

«Às dez e tal da noite, 11 horas, tínhamos fome e havia um McDonald’s por perto. Pedíamos os hambúrgueres que sobravam e uma senhora chamada Edna, mais outras duas raparigas, davam aquilo que sobrava. Espero que esta entrevista ajude a encontrá-las. Queria convidá-las a jantar comigo, em Turim ou em Lisboa. Quero poder devolver aquilo que fizeram por mim. Nunca me esqueci desse momento.» Este foi o pedido do craque.

 

Texto: Mariana de Almeida; Fotos: Impala e reprodução Instagram

 

Veja mais:
Encontrada mulher que deu comida a Ronaldo. Só falta a D. Edna
Ronaldo impediu filho de ver notícias sobre escândalo sexual: «Senti-me envergonhado»

PUB
Top