José Castelo Branco explica porque faltou ao tribunal e revela que mudou de advogado

José Castelo Branco faltou a uma audiência do processo-crime, em que é acusado do crime de furto de um perfume numa loja do aeroporto de Lisboa.

20 Ago 2022 | 11:00
-A +A

O processo-crime contra José Castelo Branco, por furto de um perfume numa loja do Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, arrancou a 31 de maio, no Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa. Depois de vários adiamentos, o juiz decidiu prosseguir com a ação, acabando por multar o marchand d’art por falta injustificada.

Agora, em declarações exclusivas à TV 7 Dias, o marido de Betty Grafstein explica o que se passou e a razão pela qual decidiu mudar de advogado, numa altura em que está à beira de conhecer a sentença deste caso.
“Não tinha nada que ter um advogado oficioso, ainda por cima um advogado oficioso que nunca me contactou. Acha normal? Acha normal eu ter um advogado que vai lá falar por mim sem me conhecer, sem saber a história, sem saber nada?”, começa por dizer José Castelo Branco, garantindo que não foi informado das audiências.

“Eu soube de uma audiência em cima da hora, quando tinha a minha advogada e disse que não podia. Então ela renunciou para não me marcarem falta. (…) Eu liguei para a secretaria a informar que ia voltar para Nova Iorque, que não tenho ninguém para me entregar correio, para me mandarem para Nova Iorque, tenho morada em Nova Iorque. Eu não ando fugido de ninguém. (…) Agora, uma pessoa falta ao tribunal assim à toa? Eu não sou adivinho, tenho uma morada, toda a gente sabe onde é que eu estou. Porque é que essa advogada oficiosa não me contactou? Eu não sei de nada, estou aqui no meu canto“, defende-se.

Por estar insatisfeito com a advogada oficiosa, José Castelo Branco decidiu contratar José Pinho, um conhecido advogado que já representou algumas figuras públicas e que está também com a ex de João Baptista, Dina Kelly, no processo que esta interpôs contra o ator por violência doméstica. “Eu arranjei agora este advogado, que é um querido”, elogia o marchand d’art.

A leitura de sentença está marcada para dia 9 de setembro, no entanto deverá ser adiada por indisponibilidade do causídico. Sabe também a TV 7 Dias que, se a sentença for desfavorável a José Castelo Branco, o mesmo pondera recorrer por não ter tido a oportunidade de se defender.

Textos: Carla Ventura; Fotos: Impala e Reprodução redes sociais
PUB