José Cid: «Aos 75 anos, não se fazem as pazes com sexo»

José Cid tornou-se esta semana o terceiro português a ser distinguido com o mais alto galardão da música internacional. Recorde a entrevista reveladora com o músico português.

24 Ago 2019 | 9:50
-A +A

Polémico como sempre, conversador e aberto como poucos, José Cid está de regresso para dois concertos que têm tanto de único como de diferente. O músico de 75 anos traz de volta o álbum de rock progressivo 10 000 Anos Depois Entre Vénus e Marte, lançado originalmente em 1978.

Em entrevista ao nosso site, José Cid fala de Donald Trump, da atualidade política e profetiza. «Estamos na iminência de uma terceira guerra mundial».

«Fui perseguido e proibido de cantar»

 

Com uma carreira que percorre cinco décadas, José Cid relembra que, nos tempos do regime ditatorial de Salazar, escapou à prisão por unha negra. «Fui perseguido e proibido de cantar».

José Cid recorda os bastidores DAQUELA foto. Veja o vídeo

 

Verdadeiro recordista de participações no Festival da Canção, o músico não tem senão elogios para Salvador Sobral, que irá representar Portugal no certame europeu de música. «O Salvador canta muito bem. Esta música vem contra a corrente». Nesta entrevista, Cid revela também qual a derrota no Festival da Canção que lhe deixou um amargo de boca.

Sempre sem papas na língua, José Cid lança farpas aos seus detratores e assume que gosta de ser um provocador. «Eu sei que irrito. Às vezes faço de propósito», confessa.

Casado há três anos e meio com Gabriela Carrascalão, José Cid explica como o amor, aos 75 anos, é vivido de outra forma. E adianta: «aos 75 anos, não se fazem as pazes com sexo».

Veja o vídeo da entrevista na galeria

 

 

Texto: Raquel Costa | Fotos: Arquivo Impala

 

(entrevista publicada em abril de 2017 no Portal de Notícias)

 

Veja mais:
José Cid revela mágoa em relação à filha: «Nunca disse que me amava!»
Com 50 anos DE CARREIRA, JOSÉ CID protagoniza DOCUMENTÁRIO

PUB
Top