Judite Sousa EMOCIONADA: «A minha resposta é: o amor»

Judite Sousa vive dia marcante ao ver chegar às livrarias a obra que escreveu com Maria do Céu Santo.

29 Set 2018 | 14:38
-A +A

Judite Sousa e Maria do Céu Santo apresentaram, esta sexta-feira, dia 29 de setembro, o livro «Não me olhes com esse tom de voz». Foi num final de tarde repleta de amigos que a jornalista e a médica mostraram ao mundo a obra que tem dado que falar.

Maria do Céu Santo começou por explica que «a ideia foi da Judite». Passados oito dias de falarem sobre o começo desta obra, «[a Judite] mandou logo 100 perguntas para eu responder».

De forma a recolherem informação, «fizemos um jantar de amigos (muitos amigos) e analisámos problemas dos casais. Muitos iam na segunda ou na terceira relação. Foi um jantar de análise. Às 3 da manhã ainda estávamos na conversa», revelou a médica.

Veja também:Judite Sousa DESABAFA: «Manter uma relação afectiva é bastante mais difícil»

Em tom de confissão, Maria do Céu afirmou: «Quando tenho altos e baixos com o meu marido digo: ‘Não me olhes com esse tom de voz’ e ele acaba por sorrir. Achei que esse seria um bom título. O objetivo é ajudar as pessoas».

E ainda avisou: «Não nos podemos esquecer dos afetos. Se alguém se está a pensar divorciar, por favor, leia primeiro o livro».

Judite Sousa emocionada com momento musical

Durante a apresentação, existiu um momento musical da autoria do professor António Levy. E foi após esta atuação que Judite Sousa começou a falar.

Visivelmente emocionada, muito devido a interpretação de António, a pivô da TVI explicou que no livro «falamos dos sentidos. Toque, o olhar, o cheiro».

Veja também: Judite Sousa sobre a DEPRESSÃO: «É um estado de tristeza permanente»

«Os nossos sentidos não estão dependentes de máquinas, por muitas máquinas que sejam inventadas todos os dias, ainda não foi inventado nada para substituir esta bela máquina que é o nosso cérebro.»

«E o que há de mais importante? A minha resposta é: o amor»

Judite Sousa continuou: «Vivemos hoje num mundo de incertezas. Temos do outro lado do Atlântico um presidente imprevisível e temos no Pacífico um presidente previsível. Talvez o líder chinês seja, deste ponto de vista, mais confiável do que Donald Trump. Neste clima de incertezas, o melhor é pensarmos no que há de mais importante nas nossas vidas».

«E o que há de mais importante? A minha resposta é: o amor!», rematou.

Ainda sobre o livro, Judite explicou aos presentes: «Este é um livro sobre o amor. Desde logo o olhar. A palavra ou o silêncio cúmplice, que muitas vezes dispensa palavras. O toque, o beijo, que mede a intensidade da paixão. O cheiro. A pele é a parte mais erógena do tecido humano».

A coautora acabou com um elogio à médica e companheira desta aventura no mundo da literatura, dizendo:

«Este título da Maria do Céu é a mais bela declaração de amor que alguém pode fazer a alguém.»

Entre os presentes, estavam Isabel Angelino, Luís Marques Mendes e Vítor Gonçalves, jornalista que fez com que Judite regressasse à RTP para uma entrevista.

Fotografias: Paula Alveno

 

PUB
Top