Lúcia Garcia: «Se fosse má pessoa, falava»

Modelo fala sobre guerra aberta com Vanessa Rebelo

11 Mar 2018 | 18:56
-A +A

O caso remonta a 3 de outubro de 2016. Lúcia Garcia acusou publicamente Vanessa Rebelo de a ter agredido em pleno centro comercial quando estava grávida, com a filha, Matilde, na altura de oito anos, ao lado. 

Dois anos depois, Lúcia Garcia explica que suspendeu o processo do alegada agressão, «a pedido do Bruno [Aguiar], porém revela que já há um novo processo prestes a chegar a tribunal. 

«Eu não sou uma pessoa vingativa. Acredito, que se não tiver razão, acabou. Mas num caso como estes é muito complicado, envolve crianças, envolve a minha filha ao meu lado. Está nas mãos da minha advogada e, agora, piorou a coisa. 

Eu suspendi o processo a pedido do Bruno e porque eu perdoei entre aspas a situação. Eu queria continuar, mas a pedido do Bruno não continuei.

A consequência será de outro processo, que vai ser posto. Tem a ver com o mesmo assunto, sou uma pessoa digna e não admito que me difamem. Eu não vou processar ninguém, até posso nem ser eu a falar. Não posso falar sobre isso, entreguei tudo à minha advogada», relatou a modelo, este sábado, dia 11 de março, na ModaLisboa.

LEIA TAMBÉM: Guerra aberta entre Lúcia Garcia e Vanessa Rebelo

Após Vanessa Rebelo ter divulgado um comunicado sobre o caso com Lúcia Garcia, a companheira de Bruno Aguiar explica: 

«Para mim é um assunto encerrado. Pedi a suspensão [do primeiro processo], porque tomei a consciência de que as crianças são mais importantes. Eu simplesmente não quero o meu nome mal escrito nas redes sem justificação. Mas que a situação é muito complicada é.

«Se fosse má pessoa, falava», afirma Lúcia Garcia

«A partir do momento em que envolve crianças é gravíssimo. Se fosse má pessoa, falava. Mas eu não sou má pessoa, não tenho mau íntimo. Se eu tivesse mau íntimo. a pessoa teria de viajar durante algum tempo.

Sei o que sei, está guardado para mim. As pessoas que estão à nossa volta sabem de tudo. É muito grave. O que eu vi há uma semana, da qual me defendi, é muito grave», continuou.

Lúcia Garcia disse ainda: «Não há tema. Não faz sentido, eu estou super bem. Isto é uma notícia que não faz sentido. É como diz a minha advogada ‘por amor de Deus’. Eu devo ter um íman, só atraio aquilo que não presta».

Questionada se passou a viver com medo, a modelo afirmou que está «super bem». «Faço a minha vida normal, este tipo de coisas não faz sentido. Simplesmente fiz o que tive de fazer, a minha resposta foi muito breve e muito rápida. Quem está do meu lado sabe o que aconteceu», terminou. 

 

PUB
Top