Luana Piovani assume frequentar bares de alterne: “Sempre me senti muito à vontade”

Luana Piovani, que dá vida a uma prostituta na série O Clube, assume ser frequentadora assídua de bares de alterne.

09 Out 2023 | 18:04
-A +A

Na série O Clube, que a SIC disponibiliza na plataforma de streaming Opto, Luana Piovani dá vida a uma prostituta brasileira. E a verdade é que a atriz brasileira, de 47 anos, tem uma forte ligação com o mundo que é retratado no formato. Algo que revelou à TV Guia. Publicação à qual assume gostar de frequentar bares de alterne.

Leia ainda: António Carvalho encontrado com vida: “Polícia chegou a tempo de evitar uma tragédia”

Foi na apresentação da quarta temporada de O Clube, que decorreu no Elefante Branco, que Luana Piovani assumiu ser frequentadora do famoso espaço lisboeta. “O lugar onde tem esse tipo de público, mulheres com liberdade e autoconfiança, a oferecer sexo em troca de dinheiro, normalmente tem homens que respeitam as mulheres porque tem muito segurança no bar. E as mulheres não têm concorrência, elas não se desgostam umas das outras”, começa por dizer.

“Se eu for num mesmo lugar de um nível social equiparado ao meu, fica muito mais chato”

“Sempre me senti muito à vontade nestes ambientes. Eu ia, as meninas ficavam felizes, a gente tirava foto, a gente dançava juntas, a gente trocava ideias, e se eu for num mesmo lugar de um nível social equiparado ao meu, fica muito mais chato. Fica todo o mundo posando, fingindo. Uma mulher olhando para a outra. Comparando quem tem o melhor vestido, a melhor bolsa. Sempre me diverti mais aqui”, acrescenta.

“Elas [Mulheres que trabalham na noite] são ótimas. São bem mais libertas”

Além disso, Luana Piovani não poupa nos elogios às mulheres que trabalham em bares de alterne. “Elas são ótimas. São bem mais libertas. Não fingem. Aqui aparecem pessoas mais carentes, que precisam de conversa. Eu acho que é mais verdadeiro, mais cru”, defende. Explicando ainda que nada a choca no mundo da noite. “Não me faz impressão nenhuma estar nestes meios. Foi um amigo brasileiro que me aconselhou a vir ao Elefante Branco. Ele trouxe-me pessoalmente. Ele falou: ‘Não vou deixar você fazer bagunça sozinha’. Ele sabe que eu sou toda bagunça. Ele queria era fazer bagunça comigo”, termina.

Texto: Bruno Seruca
Fotos: Impala e reprodução Instagram
PUB