Luta perdida em tribunal: Cristina Ferreira obrigada a pagar 161 mil euros ao Fisco

Cristina Ferreira tentou opor-se ao pagamento de 161 mil euros ao Fisco, mas o pedido não foi aceite pelo tribunal. A apresentadora da TVI vai ainda ter de suportar os custos do processo.

04 Jun 2021 | 13:10
-A +A

Cristina Ferreira vai ter de pagar 161 mil euros ao Fisco. A notícia é avançada pelo jornal Expresso, na sua edição impressa desta sexta-feira, que revela ainda que o avultado montante diz respeito a retenções na fonte de IRS da sua empresa Amor Ponto, referentes aos anos compreendidos entre 2015 e 2018.

A malveirense tentou opor-se ao pagamento deste valor, contudo o pedido não foi aceite pelo tribunal e o valor terá mesmo de ser liquidado pela também accionista da Media Capital, empresa detentora da TVI, na qual desempenha funções de Diretora de Entretenimento e Ficção.

De acordo com a mesma publicação, as despesas encontravam-se associadas à “construção da casa para habitação própria, compras de produtos alimentares e de uso doméstico e de viagens de pessoas estranhas à sociedade [‘Amor Ponto’]”.

O jornal detido pelo grupo Impresa, dono da SIC, teve ainda acesso à decisão da Autoridade Tributária. No documento consta que a empresa da apresentadora “refugiou-se na notoriedade da sócia-gerente, conhecida figura pública, para afirmar genericamente que quem a acompanhasse nas viagens o faria a título profissional, nomeadamente para tirar fotografias divulgadas nos meios de comunicação social”. Essa defesa apresentada pelos representantes legais de Cristina Ferreira não foi aceite pelo Fisco.

Além dos 161 mil euros, o rosto da TVI vai ter também de suportar os custos do processo, que estão na ordem dos 3672 euros.

 

SIC pede 20 milhões de indemnização a Cristina Ferreira

 

Com o regresso de Cristina Ferreira à TVI – depois de uma curta passagem pela SIC -, a estação de Paço de Arcos avançou com um processo judicial contra a malveirense. O canal, detido pelo grupo Impresa, exige a Cristina Ferreira cerca de 20 milhões de euros por esta ter quebrado unilateralmente o contrato que a ligava à estação para poder regressar a Queluz de Baixo.

Entrevistada por Manuel Luís Goucha, em março deste ano, para o vespertino da TVI, a apresentadora considerou o montante infundado. “Eu não fiz nada que não pudesse ter feito. Há um contrato? Há. Há alíneas nesse contrato que nos permitem, porque, se nós não tivéssemos alíneas que nos permitem sair de alguma forma, viveríamos numa escravatura”, defendeu a anfitriã de “All Together Now” e “Cristina ComVida”.

 

Saiba o que disse mais Cristina Ferreira sobre o processo judicial interposto pela SIC clicando aqui.

 

Texto: Alexandre Oliveira Vaz; Fotos: reprodução redes sociais

PUB
Top