Marcada pela dor: Vanessa Silva do “Big Brother” fala da morte do pai e do irmão

Vanessa Silva emocionou os telespectadores da TVI ao partilhar na gala do “Big Brother Famosos” a sua curva da vida, este domingo, 20 de março.

22 Mar 2022 | 8:10
-A +A

Vanessa Silva recordou a dor da morte do pai durante a curva da vida, transmitida este domingo, dia 20, na gala do “Big Brother Famosos”, da TVI. A cantora perdeu o progenitor em 2019, um sofrimento que se juntou ao já provocado pela morte do irmão mais novo, Vasco, anos antes.

“O meu pai começou a ficar doente depois da morte do Vasco. Foi diagnosticado com demência e com Parkinson. Foi uma degradação muito rápida”, lamenta, frisando que, apesar de tudo, o pai “nunca deixou de a reconhecer”. “Ele também não queria estar cá daquela forma. Assim ele foi descansar para perto do meu irmão. Acho que ele foi em paz e é em paz que nós devemos estar”, acrescenta, emocionada.

Vasco, o irmão de Vanessa, morreu num acidente de automóvel. O drama aconteceu no dia em que a cantora subia ao palco com uma peça de teatro.  “No dia em que estreei a Judy (Garland – O Fim do Arco-Irís) dei por falta do meu pai e do meu irmão na plateia e percebi logo que algo não estava bem. O Vasco teve um acidente de automóvel e, infelizmente, não resistiu. Perco uma das flores do meu jardim. Vivi a minha dor através da dor da Judy. Todos os dias eu morri um bocadinho.”

 

Vanessa assume romance com outra mulher

Ainda na Curva da Vida, do Big Brother Famosos, Vanessa Silva assumiu que viveu uma relação de amor com outra mulher e que sofreu preconceito por causa disso. Esta paixão foi uma das razões que levou ao fim do seu primeiro casamento. Tudo aconteceu quando Vanessa foi protagonista do musical Fame, entre 2008 e 2009.

“Fame foi a minha primeira grande protagonista. Fui muito feliz neste projeto. Conheci alguém que me fez perceber que o meu casamento efetivamente não dava mais porque me apaixonei. O meu ex-marido fazia parte da Fame também, do elenco”, conta.

“A minha decisão foi terminar com o meu casamento e ficar com esta pessoa, era do sexo feminino”, acrescenta, sem nunca mencionar o nome da mulher por quem se apaixonou.

“As pessoas viram-me casada tanto tempo com um homem que depois houve aqui um certo preconceito. Não foi bonito”, admite, ressalvando que ainda nutre sentimentos pela antiga paixão. “Continuo a amar essa pessoa incondicionalmente. Havia amor a mais”, termina.

 

Texto: Ricardina Batista; Fotos: Reprodução redes sociais

 

PUB