Covid-19: Marcelo anuncia estado de emergência e fala em «guerra»

A partir do Palácio de Belém, o Presidente da República anunciou ao país que Portugal entra em estado de emergência esta noite. O decreto dura 15 dias, mas “poderá ser renovado”.

18 Mar 2020 | 20:04
-A +A

Portugal entra em estado de emergência à meia-noite, um decreto que se prolonga para os próximos 15 dias, ou seja, até ao dia 2 de abril, e que poderá, depois, ser renovado. Em causa está a pandemia do novo coronavírus, que provoca a doença Covid-19. O estado de emergência foi anunciado oficialmente, pouco depois das 20 horas, por Marcelo Rebelo de Sousa.

Numa comunicação ao país, no Palácio de Belém, o Presidente da República explicou o que motivou a esta decisão. Disse que está é «uma declaração excecional numa situação excecional» e que este momento «está a ser e vai ser um teste nunca vivido ao nosso Sistema Nacional de Saúde e à sociedade portuguesa». Falou em «guerra», porque «de uma verdadeira guerra se trata».

«Sabia e sei que os portugueses estão divididos» com o decreto de estado de emergência, continuou o chefe de Estado, depois de ter deixado um elogio à nação: «Os portugueses têm sido excecionais.»

 

Leia tudo sobre o anúncio de Marcelo Rebelo de Sousa aqui.

 

Em Portugal, o mais recente boletim da situação epidemiológica, emitido esta quarta-feira pela Direção-Geral de Saúde, eleva para 642 o número de casos confirmados, o que significa um aumento de 43% em relação ao dia anterior, o maior desde que esta pandemia atingiu o nosso país. Três dos doentes já recuperaram. Dois morreram: Mário Veríssimo, antigo enfermeiro-massagista do Estrela da Amadora e amigo de Jorge Jesus, e António Vieira Monteiro, presidente do conselho de administração do banco Santander.

 

Leia a atualidade noticiosa no Portal de Notícias Impala.

 

Texto: Dúlio Silva

PUB
Top