Maria Henrique admite antigo «VÍCIO» ganho com apenas 10 dias de vida!

A atriz assumiu que, com apenas dez dias de vida, criou «uma espécie de adição» em Moçambique, o país que a viu nascer.

01 Abr 2019 | 8:00
-A +A

Maria Henrique marcou presença na inauguração da nova Clínica do Tempo, na Avenida da Liberdade, e falou-nos sobre a vida mais saudável que adotou depois de consultar Humberto Barbosa.

«Sou fã do trabalho do doutor Humberto Barbosa há muitos, muitos anos. O doutor Humberto Barbosa é um ser humano muito especial. Há uns anos, procurei-o para juntar a admiração que tinha por ele, por questões de saúde, e a Clínica do Tempo mudou absolutamente a minha vida», começa por confessar.

 

Veja ainda: Família Barbosa CELEBRA ÊXITO: «O segredo é estarmos apaixonados pelo nosso trabalho»

 

«Mexe com a nossa vida e o nosso bem-estar. Mexe com a nossa autoestima. Eles fazem um trabalho maravilhoso», elogia.

A atriz explica que adotou um estilo de vida completamente diferente e mais saudável. Mas tudo com tempo e sem a pressão de resultados eficazes num curto intervalo de tempo. «Eu fiquei muito bem e sinto-me muito bem. Existe a responsabilidade de cada pessoa de se saber respeitar. Senão o corpo também sofre, leva grandes choques.»

 

O vício… por um refrigerante

 

«O exercício físico foi um hábito que eu criei. Faço ginásio duas vezes por semana e tenho hábitos alimentares… Sempre que posso e, às vezes, até em intervalos no trabalho», explica-nos.

E há uma bebida que saiu completamente da rotina alimentar de Maria Henrique. A atriz confessou-nos que, com apenas dez dias de vida, lhe começaram a dar um refrigerante como remédio para as cólicas. Por essa razão, criou «uma espécie de adição».

«Eu sou moçambicana e, com dez dias de idade, bebia Coca-Cola. Em 1969, quando havia problemas de cólicas nos bebés, dava-se Coca-Cola, o que significa que sempre tive esse vício. Foi uma das coisas mais difíceis de tirar. Agora não penso nisso», conta-nos.

«A Coca-Cola era uma espécie de adição. Era um hábito. Era o que os médicos davam», revela.

 

Texto: Mariana de Almeida | Fotografias: Nuno Moreira

PUB
Top