Médica famosa diz que é preciso salvar os homens do assédio

Judite Sousa e Maria do Céu Santo falaram sobre as várias acusações de assédio e agressão sexual que têm sido tornadas públicas. A médica afirma que há homens «em situações muito complicadas».

05 Out 2018 | 20:40
-A +A

Judite Sousa e Maria do Céu Santo foram convidadas do programa Grande Entrevista, conduzido por Vítor Gonçalves. A jornalista e a médica estiveram na RTP a apresentar o livro Não Me Olhes com Esse Tom de Voz, onde abordam temas como o amor, a sexualidade e as relações no dia de hoje.

Numa altura em que o feminismo é um dos grandes temas da atualidade e que têm sido várias as acusações de agressão e assédio sexual tornadas públicas, Maria do Céu não hesitou em demonstrar o seu ponto de vista quando questionada sobre o tema.

«É preciso bom senso. Posso não gostar de si, contar uma historinha e estrago-lhe a vida, faço uma denúncia qualquer e vale a minha palavra contra a sua», começou por dizer.

Leia mais: Cristiano Ronaldo reage: «Nego terminantemente as acusações de que sou alvo»

 

«Os homens têm de facto picos de testosterona. Não estou a defendê-los mas se a pessoa tem um decote até ao umbigo, uma racha até cá cima e o outro não faz amor há não sei quanto tempo, o que é que a pessoa está a fazer se não assédio sobre o homem que tem na frente? É isso que tem de ser denunciado também», afirmou a ginecologista.

Depois de ouvir a opinião da médica, Vítor Gonçalves questionou se considerava então que esse motivo era justificação.

«Não acho que justifica, mas há assédio sobre os homens atualmente, como há sobre as mulheres. As mulheres que estão em cargos de chefia fazem assédio a pessoas que estão numa posição ligeiramente inferior e não são denunciadas porque eles têm vergonha de dizer. Estão aí homens com situações muito complicadas. Salvem os homens por favor», respondeu Maria do Céu.

«Nunca alinho em posições radicais»

Já Judite Sousa confessa que não acredita no lema «coitadas das mulheres», mas que é necessária uma análise da situação.

«Nunca alinho com posições radicais ou sem alguma sustentação de «coitadas das mulheres». Estamos a assistir a fenómenos muito perturbantes na nossa sociedade. Acho que estes problemas têm que ser analisados como um todo, com muita cautela, muita prudência, com um grande distanciamento crítico porque se não caímos numa ligeireza em termos de análise que não é positiva», terminou.
Veja a entrevista completa aqui.

Judite Sousa não apoia movimento ME TOO

A jornalista já se tinha pronunciado acerca do movimento ME TOO, em março de 2018.

«O produtor cinematográfico Harvey Weinstein é um grande tonto. É sabido que assediou muitas actrizes para as ter na mão, julgava ele. Umas foram na conversa; outras não. Mas o que também é certo é que essas “assediadas” tinham poder, nomeadamente económico para dizerem que sim ou que não. Porquê? Porque são das mulheres mais poderosas e ricas da indústria de Hollywood. Vejamos dois exemplos: Uma Thurman é uma actriz consagrada. Vale milhões. Ficou grávida de um multimilionário chamado Arpad Busson que, por sua vez, tinha sido casado e pai dos dois filhos da Top Elle Macpherson, também conhecida pelo nome” o corpo”. Quando ela percebeu o perfil, deu-lhe ordem de marcha», pode ler-se.

Veja também: Judite Sousa fala sobre depressão

Judite Sousa falou ainda de Salma Hayek , que ficou grávida de um dos homens mais ricos da indústria da moda, o francês Henri Pinnault, dono, entre outras marcas, da Gucci.

A jornalista termina, considerando que o movimento Me Too algo «que leva a mensagens muito intelectualizadas mas que mais não são do que conversas de travesseiro #metoo #naoobrigada»

Fotos: Arquivo Impala e Redes Sociais

 

PUB
Top