Miguel Sousa Tavares quebra silêncio após polémica com modelo trans

Após José Alberto Carvalho ter feito um pedido de desculpas a Marina Machete, Miguel Sousa Tavares manifestou-se em direto.

03 Nov 2023 | 10:52
-A +A

Depois de José Alberto Carvalho ter feito um pedido de desculpas púbico, chegou a vez de Miguel Sousa Tavares. O comentador esteve no espaço de informação da TVI ao lado de Sandra Felgueiras nesta quinta-feira, 2 de outubro, e teve uma palavra a dizer a Marina Machete e ao público. Recorde a polémica.

Leia ainda: Marina Machete faz história ao ser a primeira mulher transgénero eleita Miss Portugal

Carolina Aranda assume relação com Inácia Nunes

“Não sentes, neste momento e passada uma semana, que a forma como procedeste não só ofendeu Marina Machete como legitimou aqueles que te acusaram?”, perguntou a pivot do jornal da noite. Miguel Sousa Tavares manifestou-se: “sobre isso não tenho nada a acrescentar nem a retirar. Não sigo redes sociais, mas seria hipócrita se dissesse que tenho um desconhecimento total do que foram as reações.”

“Não acho que tenhamos que nos vergar a uma espécie de tendência”

E não se calou. “Eu não acho legítimo que um transexual concorra a um concursos de beleza feminina. Como não acho legítimo que concorra a provas desportivas femininas. Porque vicia as regras do jogo. É batota. Da mesma maneira que alguém recorra à inteligência artificial para escrever um romance”, afirmou. “Disse também que não acreditava que não houvesse concorrentes mais bonitas a concurso. E que portanto ela não tinha ganho por ser a mais bonita, mas por ser transexual… E isso tem a ver com uma coisa mais ampla e mais grave: eu não ponho eu causa que as maiorias tenham que ser protegidas”, acrescentou.

“Eu fui publicamente a primeira pessoa a defender aqui na TVI, num programa que eu tinha chamado ‘Em legitima Defesa’, o casamento dos homossexuais, muito antes de ser um tema público e de ser aprovado na Assembleia. Protejo o direito a cada um ter a sua orientação sexual, agora, também não acho que tenhamos que nos vergar a uma espécie de tendência, que se não for enfrentada acaba em ditadura, das minorias sobre as maiorias”, rematou Miguel Sousa Tavares.

Texto: Joana Dantas Rebelo
Fotos: redes sociais e DR
PUB