“Não somos uma prioridade”: Marta Faial vive “altura complicada e puxada” com as filhas

A vida de Marta Faial mudou em agosto, quando as filhas, Maria Beatriz e Maria Inês, nasceram antes do tempo. Já está tudo bem, tirando o facto de a atriz não ter tempo para ela.

01 Jan 2022 | 15:15
-A +A

Para Marta Faial, 2021 será inesquecível por causa do nascimento das suas filhas, fruto da relação com Gonçalo da Câmara Pereira. À TV 7 Dias, a atriz explica que a sua estreia na maternidade tem sido uma aventura pelos melhores motivos e outros não tão bons.

“É uma altura complicada e puxada, mas muito boa, porque a cada dia se vê uma coisa nova em dois seres que são a união de duas pessoas que se amam. Tem um bocadinho dos dois, os traços vão aparecendo… estão na fase de palrar, sorriem muito, estão muito mimadas e fazem birras já de personalidade”, analisa Marta Faial.

A atriz explica que, pelo facto de serem gémeas, “são birras a dobrar”. “Uma acorda a outra e, depois, cala-se, só mesmo para pegar fogo à casa. Estão numa fase em que ainda precisam muito de colinho e de peito, cinco quilos cada uma, e às vezes dez quilos em cima já custa. Mas acho que tudo se faz”, diz, a sorrir.

Quatro meses depois de terem nascido prematuras, as filhas de Marta Faial respiram saúde e não dão descanso à mãe, que aos 36 anos fica com pouco tempo para cuidar de si. “A mãe anda a portar-se um bocadinho mal… No meio da logística toda, com dois bebés que se babam e bolçam, muitas vezes ando de roupa confortável, com o cabelo apanhado, porque a prioridade são elas. Mas, sempre que posso, obrigo-me a cuidar de mim, sempre que tenho alguma coisa, e digo a mim mesma que não posso estar sempre neste registo de mamã, porque às vezes esquecemo-nos. Realmente, nós não somos uma prioridade nesta fase”, assume.

Marta Faial e Gonçalo da Câmara Pereira namoram há dois anos e querem casar-se. Só que não é para já. “Nós queremos um casamento à séria, elas podem levar as alianças, e com direito a lua-de-mel, em que elas fiquem com as avós… É esperar”, remata.

 

Texto: Luís Correia (luis.correia@impala.pt); Fotos: Arquivo Impala e reprodução redes sociais

 

(adaptação de artigo originalmente publicado na edição nº 1815 da TV 7 Dias)

PUB